IoT ainda traz incertezas ao setor

A Internet das Coisas (IoT) é o assunto do momento para fornecedores e operadoras, mas não necessariamente é um futuro definido no horizonte no Brasil. A diretora de novos serviços da Algar Telecom, Zaima Milazzo, entende que há um "momento de dúvida" no setor em relação à monetização dessa nova área. "A gente sabe que eficiência operacional vai aprender, mas tem que ver como a cadeia de valor vai distribuir; precisamos trabalhar em parceria e descobrir qual o ecossistema adequado para cada uma das oportunidades", declarou ela durante debate nesta terça, 18, na Futurecom.

O diretor de Indústria, Ciência e Tecnologia do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, José Gontijo, o cerne da IoT não é monitoramento e sensoriamento, mas a informação gerada e a forma como tratada e utilizada de maneira adequada. "Será onde estará o grosso do dinheiro", estima, ressaltando ser necessário que isso seja tratado "com carinho" pelo empresariado e pelo governo. Gontijo cita como exemplo de potencial de crescimento o uso em agricultura média e familiar. "Juntos são parcela grande da produção nacional, se colocar mum crescimento grande ali, avança tudo, inclusive o PIB."

Notícias relacionadas

Para o CTO da TIM, Leonardo Capdeville, a IoT é uma "fronteira natural" para o setor, que deverá lidar com um potencial acima de expectativas. Porém, é preciso chegar lá com a Internet antes. "Temos o desafio no Brasil de como fazer isso de forma real e com qualidade. A IoT vai acontecer, "uma vez que a conectividade chegue primeiro lá. "Acreditamos que será como foi quando chegaram os smartphones", declara. Mas ainda falta um longo caminho para permitir o desenvolvimento da Internet no País, como explica o diretor de tecnologia de rede e sistemas da Oi, Pedro Falcão. "A indústria está sendo ingênua relativamente à massificação em analogia com o que aconteceu quando operadoras deram acesso ao mundo", declara.

O importante é criar um ambiente regulatório e operacional adequado para esse novo modelo. "Se seguirmos na mesma linha de como conectamos pessoa, os modelos de negócio e regulação não param em pé", rebate o vice-presidente do grupo de negócios de operadoras da Huawei, Márcio Costa da Silva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.