Em meio à pandemia, acesso à Internet chega a 83% dos domicílios em 2020

Foto: Pixabay

A edição de 2020 da TIC Domicílios apontou um crescimento de 12 pontos percentuais no número de lares brasileiros com acesso à Internet – seja ela fixa ou móvel. No ano marcado pelo início da pandemia de covid-19, o serviço passou a estar presente em 83% dos domicílios.

Promovida pelo Comitê Gestor da Internet do Brasil (CGI.br) a partir do Cetic.br, a pesquisa indicou um aumento no acesso à Internet em diversos recortes, incluindo na área rural (de 51% para 65%), na classe C (de 80% para 91%) e na D/E (de 50% para 64%).

Regionalmente, também houve avanço. No Nordeste, os domicílios com Internet fixa ou móvel passaram de 65% para 79%. Já o Norte e o Centro-Oeste alcançaram 81%, ante 72% e 70%, na ordem. A redução de desigualdades econômicas e sociais no acesso foi destacada pelos organizadores do estudo.

Notícias relacionadas

"Em 2020 havia incerteza sobre qual seria o efeito da pandemia sobre a conexão domiciliar, pois havia efeito econômico sobre a renda, mas ao mesmo tempo uma demanda muito forte", lembrou o coordenador da TIC Domicílios, Fabio Storino. Usos como teletrabalho e ensino à distância foram grandes impulsionadores do consumo, apesar das barreiras financeiras.

Fixa ou móvel

Entre os 83% de lares com Internet em 2020, 69% acessavam o serviço a partir de contratos de banda larga fixa (ante 61% na edição anterior) e 56%, através da tecnologia de fibra óptica.

22% dos domicílios utilizavam o serviço a partir de chips 4G, 3G ou modems móveis (frente 27% em 2019, em queda considerada positiva). Nas classes D e E, o contingente ainda fica em 33% e na área rural, em 27%.

Quando analisados os usuários de Internet em vez de domicílios, a estimativa do Cetic.br é que 81% da população com dez anos ou mais seja usuária da Internet – ou cerca de 152 milhões de pessoas.

Um percentual ampliado de 87% de pessoas conectadas também foi informado. Neste caso, também são considerados consumidores que não sabem ou que não se identificam como usuários de Internet. A situação inclui clientes de planos móveis com acordos de zero rating para determinados aplicativos, como redes sociais.

Deixe seu comentário