Embratel nega oposição ao modelo nacional de telecomunicações

Jorge Rodrigues e Purificación Carpinteyro, respectivamente presidente e vice-presidente para assuntos externos da Embratel, se reuniram nesta quinta, dia 18, com o ministro das comunicações Juarez Quadros a fim de garantir que a empresa não se opõe ao modelo de telecomunicações brasileiro. Também explicaram mais uma vez a posição da operadora em relação às tarifas de interconexão praticadas pelas teles locais. "Nossa reunião foi feita para manter o ministro informado do raciocínio de nossas ações para que elas não sejam interpretadas como um desafio ao modelo", explicou o presidente da empresa. Segundo ele, as ações da Embratel na Justiça contra a autorização de LDN para a Telefônica foram justificadas como uma forma de garantir que "os direitos da Embratel sejam assegurados".
Rodrigues também negou que a Embratel trabalhe com a expectativa de quebrar em seis meses, como chegou a ser publicado na imprensa. Como explicou o executivo, a empresa considera impossível continuar competindo no mercado de longa distância nacional se a política de cobrança das tarifas de interconexão de redes locais permanecer a mesma.
Os representantes da Embratel também exigem uma providência da Anatel quanto à política de preços das teles locais, sob pena de acabar com a competição no mercado de longa distância regional. Segundo Purificación Carpinteyro, a sugestão da Embratel é que a agência determine tarifas de interconexão da rede local menores ou iguais às tarifas de público. Assim, segundo ela, ao baixar as tarifas, a operadora local é obrigada a baixar proporcionalmente a tarifa de interconexão. Segundo a executiva da Embratel, em 90% dos casos as tarifas de interconexão são mais altas que as tarifas cobradas do público.

Notícias relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.