Para Connectoway, equipamentos de banda larga devem sofrer com falta de chips e reajustes

Carlos Cartaxo, CEO da Connectoway

A distribuidora de equipamentos para banda larga Connectoway acredita que o segundo semestre do ano pode trazer impactos mais significativos para o mercado em relação ao problema global da falta de semicondutores e aumento de demanda decorrente do alívio da pandemia em países que já passaram a fase mais crítica. Para Carlos Cartaxo, presidente da empresa, isso pode se refletir no Brasil com um aumento de preços do qual o mercado dificilmente vai escapar e uma possível limitação de estoque. "Nesse momento, a mensagem que a gente deixa para os provedores é que o planejamento de longo prazo é fundamental, porque pode faltar equipamento na ponta", diz ele, referindo-se sobretudo aos equipamentos de última milha e aos dispositivos que conectam a casa do assinante.

Apesar desse risco, a Connectoway está otimista com o crescimento do mercado e acredita que haverá um impulso relevante após a pandemia e que o mercado está em alta. "Essas quedas de base que a Anatel registrou certamente são decorrentes de problemas específicos de provedores que não puderam informar os números, porque o que estamos vendo é um mercado ainda bastante aquecido", diz Cartaxo.

Também o 5G, acredita, deve ajudar muito na ampliação das redes de fibra, sobretudo para dar suporte às ERBs que precisarão ser instaladas. Mas ele acredita que o ISP precisa começar a pensar mais no futuro de longo prazo e no perfil de serviços que vai querer oferecer.

Notícias relacionadas

A aposta da Connectoway é que o WiFi 6 será uma forma para que ISPs possam oferecer mais serviços residenciais e voltados para aqueles domicílios com mais de 10 ou 15 dispositivos conectados, e também conexão outdoor, com soluções para hotspots públicos e em novos modelos de comercialização. "Vai acabar sendo uma forma de complementar o serviço fixo e ter uma alternativa à rede móvel", diz ele. A Connectoway também aposta que nos próximos anos as operadoras de pequeno e médio porte iniciarão um movimento de atualização das redes para tecnologias tipo XG-SPON. 

Apesar do mercado cada vez mais competitivo de ISPs, diz Cartaxo, ainda há espaço para crescimento das operadoras. "Temos uma penetração de pouco mais de 20% da fibra, enquanto mercado mais maduros têm 45%, então existe espaço", diz ele. Carlos Cartaxo tampouco mostra muito entusiasmo com o modelo de redes neutras. "O investimento em rede acaba sendo apenas 20% do CAPEX, então não tenho tanta certeza que valha o risco de abrir mão do controle da rede e das necessidades futuras de expansão, ainda mais porque aumenta o custo operacional", diz, mas ele admite que esse modelo deve ser bastante testado ainda.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.