Inpe ampliará laboratório de testes de olho nos próximos satélites brasileiros

O Laboratório de Integração e Testes (LIT) de satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) será expandido com o objetivo de atender às necessidades do Programa Espacial Brasileiro. Os atuais 22 mil metros quadrados (m²) de instalações ganharão outros 14 mil m², por meio de projeto apoiado pela Fundação de Ciências, Aplicações e Tecnologias Espaciais (Funcate) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Notícias relacionadas
A principal demanda é o desenvolvimento dos futuros satélites do programa Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC). O primeiro satélite será lançado no final do próximo ano, por meio da empresa Visiona, joint-venture entre a Telebras e Embraer, mas a previsão é de que outros sejam lançados nos próximos anos, aproveitando a tecnologia repassada pela empresa francesa Thales Alenia Space. A ampliação do laboratório permitirá a integração e testes de satélites com até seis toneladas e sete metros de altura, como os satélites geoestacionários meteorológicos ou de telecomunicações e satélites radar.

Atualmente, a capacidade do LIT é limitada a satélites de até duas toneladas e quatro metros de altura, a exemplo dos equipamentos da família CBers, desenvolvidos pelo Brasil em cooperação com a China.

Concluída a ampliação, o laboratório do Inpe poderá integrar e testar até quatro satélites de diferentes classes. O convênio assinado com a Finep, no valor de R$ 45 milhões, contempla a fase de contratação de consultorias especializadas para definição da configuração e dos equipamentos de testes a serem implantados, a contratação do projeto executivo civil e de utilidades da ampliação, bem como a contratação da construção de parte das suas novas instalações.

Além de possibilitar a integração e testes dos satélites do SGDC e de outros satélites de grande porte, as novas áreas, em conjunto com as instalações existentes, possibilitarão a melhoria no atendimento a demandas dos setores de telecomunicações e outros setores industriais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.