Empresas devem ter plano estratégico para campanhas em mídias sociais

As empresas que pensam em iniciar uma campanha de publicidade online utilizando recursos da web 2.0 necessitam, além de um conhecimento básico desse novo ambiente, de um planejamento estratégico para que a empreitada seja bem-sucedida, segundo ressaltaram especialistas durante o Web Expo Forum 2010, que acontece até esta sexta-feira, 19.
De acordo com Marcelo Prais, diretor de operações e negócios da AlmapBBDO, existem diferentes formas de utilizar as mídias sociais para estratégias de marketing, mas o importante é respeitar os meios e seus conteúdos e ter clareza na campanha. O executivo salienta que o trabalho com redes sociais é de longo de prazo.
"O trabalho com métricas é extremamente relevante. Dimensionar corretamente os esforços para trabalhar com os meios sociais é um dos passos para o sucesso. É mais fácil obter resultado quando se tem uma estratégia certa e bem definida", salienta Prais, ressaltando que é necessário que as empresas façam um roadmap para começar a atuar com redes sociais. "Se a empresa não tem nenhum conhecimento do assunto e de como funcionam as redes sociais, é melhor não adotar esse tipo de estratégia. Caso contrário a empresa pode perder o controle", comenta.

Notícias relacionadas
Para a gerente de mídia da TIM, Paolla Rodrigues, a adequação da mensagem ao meio deve ser a primeira coisa a ser observada pelo anunciante. Ela observa que fazer campanhas em mídias sociais não é colocar banners de anúncios, mas participar de fato desses meios e compreendê-los.
Paolla revela que a TIM investe em internet 10% dos recursos totais que destina para publicidade e que a operadora não enxerga ainda a mídia social como uma forma paga de publicidade, mas por enquanto apenas para entender o meio e se relacionar com o cliente. "Montamos uma área só para suprir a demanda do Twitter", explica a executiva.
A gerente de mídia da TIM diz que a empresa ainda está aprendendo a investir na nova geração da Internet, por ser um "meio novo e perigoso". Paolla atenta para o fato de que quando a empresa entra no segmento de mídias sociais a conversa é de mão dupla, tem de haver o diálogo. Segundo ela, caso a companhia não esteja preparada para lidar com as dificuldades proporcionadas por essa via dupla, os resultados podem ser catastróficos.
"Isso pode virar uma bola de neve, por esse motivo deve ser feito de forma cautelosa. Atualmente, mais do que colocar anúncios pagos nas mídias sociais, estamos em processo de conhecer e entender esses meios", diz Paolla.
A opinião da executiva é corroborada por Marcelo Lobianco, diretor de publicidade do iG, que entende que os investimentos em web 2.0 devem ser feitos pouco a pouco, para a companhia aproveitar a análise de resultados e realizar a curva de aprendizado de forma mais qualitativa.
O diretor de publicidade do UOL, Enor Paiana, frisa que é necessário pensar a estratégia de negócios para direcionar as campanhas para a web 2.0. "Esse é um importante facilitador para se obter bons resultados. Isso porque a curva de aprendizado é complexa e deve ser feita para gerar resultados no curto prazo", finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.