Netflix se diz preocupada com possível regulamentação das OTTs

Ainda na sexta-feira, 15, último dia para contribuições na consulta pública sobre a revisão do modelo de telecomunicações promovida pelo Ministério das Comunicações, a Netflix enviou seu documento no qual basicamente rebate argumentos de operadoras de que alguns serviços over-the-top (OTTs) deveriam deixar de ser serviços de valor adicionado (SVA) por prestarem "o mesmo serviço" que elas. O texto, assinado pela diretora de políticas da Netflix para a América Latina, Paula Pinha, também ressalta investimentos próprios em infraestrutura  e pede "balizadores legais mínimos" para proteger práticas abusivas das teles.

A empresa afirma que são necessários "arcabouços legais flexíveis" para permitir modelos de negócios. Mas vê com "grande cautela e preocupação eventuais iniciativas de avançar a regulamentação setorial hoje existente no setor de telecomunicações" para as OTT. Na posição da Netflix, o argumento da regulamentação de OTTs como serviços tradicionais de telecomunicações para eliminar "supostas assimetrias regulatórias" não pode ser usado por haver "diferenças fundamentais" nos modelos.

Notícias relacionadas

Uma das diferenças citadas é o fato de que as over-the-top não possuem controle sobre a infraestrutura, deixando o usuário livre para trocar de prestador de serviço. "Não há necessidade de um arcabouço legal para a organização de mercado, pois, em última análise, será o próprio consumidor que irá escolher os provedores que prestam serviços de melhor qualidade", declara. Outra diferença apontada é que os provedores de conteúdo não controlam recursos escassos como o espectro de radiofrequência e recursos de numeração de celular. Assim, "não controlam a infraestrutura de acesso ao usuário final, considerada facilidade essencial, e não possuem controle para limitar a escolha do usuário a respeito do serviço que ele poderá consumidor".

Investimentos

A companhia também destaca que, assim como as teles, investe "pesadamente na construção de infraestrutura". A Netflix se refere às redes de entrega de conteúdo (CDNs), aos pontos de troca de tráfego (PTTs) e às redes de tráfego de empresas como Cogent e Level 3. A empresa ressalta que paga as CDNs e os provedores de tráfego para a entrega do conteúdo, e que essas redes não apenas melhoram a experiência para o consumidor, mas reduzem custos de tráfego para a operadora.

A Netflix diz ainda que oferece troca de tráfego em número "cada vez maior" de PTTs no País, como São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. E que sua rede de CDNs Open Connect, construída exclusivamente para o serviço, é oferecida gratuitamente aos provedores de conexão, "o que significa que a Netflix paga pelo hardware (os servidores cache ou 'ferramentas'), pela entrega e pela manutenção das ferramentas (inclusive quaisquer substituições, quando necessário)".

A Netflix não revelou exatamente o quanto investe nessa infraestrutura, dizendo ser "milhares de dólares", mas cita relatório da Analysis Mason de setembro de 2014, que declara que as OTTs investem cerca de US$ 33 bilhões anuais em infraestrutura de rede no mundo, incluindo data centers, cabos submarinos e servidores de transporte, entrega e hospedagem de dados.

Fala também em "círculo virtuoso" entre as teles, que vendem a camada de acesso, e as OTTs, que propiciam o aumento da demanda por banda larga. Reitera que os investimentos próprios impõem "nenhum custo à rede dos provedores de conexão local".

Proteção

Mas não fala em troca de tráfego gratuita. A OTT acredita que uma estrutura regulatória deve incentivar o trabalho conjunto para promover a Internet aberta e inclusiva. "Dessa forma, muito embora recomendemos fortemente que os serviços OTT permaneçam sendo tratados como serviços de valor adicionado no âmbito da legislação brasileira, e dessa forma sendo brindados com um regime legal flexível e aberto ao processo de inovação tecnológica, acreditamos que sejam bem-vindos balizadores legais mínimos e principiológicos que objetivem proteger os provedores de conteúdo de possíveis abusos de poder econômico perpetrados por aqueles que detêm o acesso às redes de telecomunicações". A Netflix não cita, mas parece descrever o imbróglio com ISPs norte-americanos que estrangularam o tráfego de streaming da empresa e passaram a cobrar "pedágio" em acordo.

Com isso, a Netflix se diz preocupada com eventuais arcabouços legais que possam ser ostensivamente detalhados e prescritivos, assim inibindo desenvolvimento do mercado de OTTs. "Acreditamos que a legislação nacional deve vir para organizar o mercado e estabelecer um conjunto de normativo mínimo necessários para a boa prestação dos serviços, sem interferir na forma como modelos de negócios são estruturados e oferecidos para o consumidor."

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.