Independente do PLC 79, setor precisa pensar nos bens reversíveis, diz Telefônica

Foto: awpixel.com / Pexels

A Telefônica tem esperança de que o PLC 79 seja enfim votado em fevereiro do ano que vem, quando o Senado passar por nova eleição de presidente. Mas, independente da proposta que altera o marco regulatório do setor, a companhia se prepara para lidar com a questão dos bens reversíveis em diferentes cenários. "As concessionárias têm de se preparar para pensar nos bens reversíveis, a valoração é necessária mesmo se o PLC não passar", declarou nesta segunda-feira, 17, a vice-presidente de Assuntos Corporativos da operadora, Camilla Tápias.

Segundo a executiva, a operadora trabalha com três cenários, dos quais a aprovação do projeto de lei é, naturalmente, a saída ideal. As outras alternativas são a de contingenciamento e a de algum outro tipo de acordo. "Em qualquer uma das três possibilidades, vamos ter que valorar os bens reversíveis", ressalta.

No caso de o PLC ser aprovado, ela sugere um diálogo no setor para encontrar a melhor forma de tratar a questão do saldo da conversão. "Tem de haver uma coalizão, uma conversa de setor – operadoras, fornecedores, Anatel – para definir de que forma será investido", declara. "Se isso não acontecer, não adianta o PLC passar. Se não chegar a um consenso, não vai haver migração."

Notícias relacionadas

Mais propostas

Tápias também criticou o regulamento de qualidade da Anatel. Segundo a executiva, os indicadores não representam a realidade da prestação de serviço. E a versão que a agência propôs em consulta pública também precisaria de mais mudanças, na opinião dela, "no sentido de enxugar, com visão menos punitiva, e mais construtiva".

De uma forma geral, Tápias sugere uma mudança em direção cada vez mais à autorregulação. "Uma 'co-regulação' no começo, mas de uma forma mais participativa, como faz a Febraban", compara. A executiva diz que o presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais, apoia a ideia.

1 COMENTÁRIO

  1. Enfim duas posições consistentes. Sem resolver a questão dos bens reversiveis associados às concessões da telefonia fixa, será difícil avançar na necessária reforma do setor, com revisão da regulamentação. Sobre a qualidade dos serviços prestados as Empresas precisam mais atenção a sua marca no relacionamento com seus clientes. Estas práticas levariam a uma redução das regras muito detalhadas e custosas de controle da qualidade dos serviços pela Agência Reguladora.

Deixe uma resposta para JOSE ROBERTO DE SOUZA PINTO Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.