Setores cobram transparência no Comitê Gestor

Um consenso que permeou a audiência pública desta sexta-feira 17, no VII Fórum de Internet no Brasil, foi a necessidade de melhorar e ampliar a transparência do Comitê Gestor. Várias entidades pediram pela transmissão das reuniões pela Internet, além da publicação de transcrições e de dados manipuláveis por máquinas para fins de pesquisa.

"O CGI deve ter compromisso de transparência na sociedade promovendo audiências públicas a exemplo do que é adotado nas agências reguladoras", declarou representante da Febratel, sugerindo ainda conformidade com a Lei de Acesso à Informação, ainda que o Comitê não seja um órgão público. Essa adequação foi também sugerida pela representante da entidade Artigo 19. "Isso se justifica por conta do caráter público e da relevância do Comitê."

"Não tem cabimento o Comitê Gestor da Internet não ter reuniões abertas em streaming. O CGI não trabalha com documentos sigilosos, mas modelo de governança da Internet, é algo que interessa a todos", declara Sérgio Amadeu, da Universidade Federal do ABC e conselheiro do próprio Comitê. "Streaming é necessário também para ter engajamento da sociedade, pesquisadores, estudante e jornalistas podem ter interesse." Além da transmissão, participantes da audiência solicitaram que fossem realizadas transcrições.

Vários membros, como Bia Barbosa, do Intervozes, sugeriram também que o decreto formulado após a consulta seja ainda submetido à consulta pública. Já o advogado do Idec, Rafael Zanatta, sugere a criação de indicadores de desempenho para o Comitê, bem como a possibilidade de uma ouvidoria que preste contas de modo independente e faça autocrítica. "Pode ser extremamente importante em momento de testes (do modelo de governança)", ressaltou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.