Planejamento estima em R$ 34,6 bilhões impacto positivo do novo modelo de telecom

O ministério do Planejamento publicou nesta segunda, dia 17, uma Nota Técnica enfatizando os benefícios que, segundo a avaliação do ministério, decorrerão da reforma do marco regulatório das telecomunicações nos termos planejados pelo Projeto de Lei  3.453/2015. Na estimativa do Planejamento, "essa reforma permitirá um aumento do investimento da ordem de R$ 34,6 bilhões ao longo dos próximos anos". Ainda segundo a nota técnica, "esse incremento no investimento deve trazer um impacto sobre o crescimento do PIB de, aproximadamente, 0,49 pontos percentuais. Ou seja, o exercício mostra que os investimentos no setor de telecomunicações possuem impactos indiretos três vezes maiores que os impactos diretos. A cada R$ 10 bilhões de investimento haverá um impacto de 0,14 p.p no PIB", diz o Planejamento.

A análise da Nota Técnica analisa sobretudo o custo dos bens reversíveis no modelo atual e quanto esse mecanismo pode estar representando de investimentos represados. A nota pondera que "alguns problemas podem emergir devido a insegurança jurídica a respeito da identificação e do valor dos bens reversíveis. Entre eles estão a inibição de investimentos, a duplicação de infraestrutura, a subutilização de ativos, a impossibilidade de alienação de imóveis, o custo de controle e fiscalização dos ativos e inventários reversíveis e as disputas judiciais entre concessionárias, agências reguladoras e sociedade civil por causa da dificuldade de mensurar os bens". Para o Planejamento, existe uma grande expectativa dos agentes econômicos "para a aprovação dessas mudanças, uma vez que a revisão do arcabouço normativo em discussão poderá alavancar um novo ciclo de investimentos no setor".

O estudo pondera que o cálculo com base nos bens reversíveis não seria a última forma de estimar os investimentos, mas funciona como uma "proxy" para exemplificar. O estudo considerou ainda os ganhos com os Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) que, supostamente, serão celebrados entre Anatel e operadoras.

Segundo o Planejamento, "o investimento estimado com os TACs é de cerca de R$ 19,4 bilhões (valor nominal em 2016), enquanto o valor da adaptação deve gerar um montante de cerca de R$ 19,9 bilhões (valor nominal em 2015)". Em cima desses valores, foram ajustados os montantes a partir das Tabelas de Recursos e Usos (TRU) de 2014 do IBGE, chegando nos R$ 34,6 bilhões.

"Dessa forma, foi estimado que esses investimentos venham a produzir um impacto de 0,49 p.p. no PIB, sendo que 0,12 p.p. são impactos diretos e 0,37 são impactos indiretos sobre a economia. A contribuição do valor da adaptação e dos TACs será de um impacto total de 0,26 p.p. e 0,23 p.p., respectivamente. Ou seja, o exercício mostra que os investimentos no setor de telecomunicações possuem impactos indiretos três vezes maiores que os impactos diretos. A cada R$ 10 bilhões de investimento haverá um impacto de 0,14 p.p no PIB", diz a nota.

Problemas da reversibilidade

O estudo aponta alguns problemas do modelo atual, sobretudo em decorrência da reversibilidade, que é, na análise do Ministério do Planejamento, o grande problema do setor hoje, aliado à assimetria regulatória entre autorizadas e concessionárias. Segundo o Planejamento, os problemas decorrentes do modelo atual são:

1) Devido a possibilidade de reversão dos novos ativos em 2025, há menos investimentos no setor, além da dificuldade de atração de novos investidores.

2) Duplicação de infraestrutura: a insegurança tem levado as empresas a instalarem cabos de fibras paralelos aos cabos de cobre, havendo perda de eficiência dos investimentos realizados e aumento do custo do capital.

3) Subutilização de ativos: os cabos de cobre poderiam ter a vida útil prolongada com a utilização de novas tecnologias, podendo ser utilizados, por exemplo, para levar serviços de banda larga, limitados à tecnologia.

4)  Imóveis: quaisquer terrenos e benfeitorias utilizados para a prestação de qualquer serviço podem ser considerados bens reversíveis, ficando impossibilitados de serem alienados, gerando custos de manutenção.

5) Judicialização: disputa entre as concessionárias, agências reguladoras e sociedade civil organizada sobre os bens reversíveis.

6) Custo de controle: Controle e fiscalização dos ativos e de inventários reversíveis, tanto pela agência reguladora quanto pelas operadoras, gera ineficiências econômicas.

Segundo a nota, "a reversibilidade é um instituto importante quando existe pouca competição. Nesse caso, se a empresa devolver a concessão, o Estado deve manter a continuidade do serviço. Ocorre que, na medida em que se multiplicaram as autorizações, esse risco ficou muito pequeno".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.