BNDES libera verba para primeiro projeto-piloto de IoT

Foto: Pixabay

O monitoramento de oxigênio ministrado em tratamento de pacientes com enfisema pulmonar será a primeira operação de projeto-piloto de Internet das Coisas (IoT) selecionada pelo BNDES. A solução foi proposta pelo centro de inovação de Recife CESAR, que desenvolveu o protótipo em parceria com a startup brasileira Salvus, com financiamento da Embrapii.

Um sensor acoplado à tubulação ou ao cilindro de oxigênio é responsável pelo monitoramento do gás. As informações coletadas sobre o fluxo do oxigênio serão digitalizadas e transmitidas para uma base de dados disponível aos profissionais de saúde. O acompanhamento reduzirá riscos de falta de oxigênio e permitirá que os pacientes recebam a quantidade ideal do gás.

Os testes da tecnologia acontecem ao longo de 16 meses e terá investimento total de R$ 2 milhões, sendo R$ 1 milhão de aporte feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social em recursos não-reembolsáveis. Eles serão realizados em ambientes reais, contando com a participação de cerca de 1 mil voluntários internados em hospitais ou sob tratamento domiciliar.

No caso dos aparelhos usados em home care, a solução terá também um sistema automatizado, com base em inteligência artificial, para antever a data de reposição dos cilindros.

Os pilotos de IoT selecionados pelo BNDES estão em fase de análise de projetos. Após esta etapa, são submetidos à apreciação da diretoria do banco e, caso aprovados, são feitas as contratações e as liberações dos recursos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.