SindiTelebrasil busca acordo com Procon para liberar linhas móveis em Porto Alegre

Tudo indica que operadoras de telecomunicações e o Procon de Porto Alegre chegarão a um acordo, ainda nesta semana, para a normalização da venda de linhas móveis na capital gaúcha.

Segundo Eduardo Levy, presidente do SindiTelebrasil, as conversas com o órgão de defesa do consumidor estão adiantadas. Desde ontem, o Procon municipal pediu na Justiça o congelamento de novas habilitações do serviço.

Nesta terça-feira 17, o representante da associação das operadoras se reuniu, em Porto Alegre, com representantes do Procon municipal e da Prefeitura local para apresentar as dificuldades enfrentadas pelas teles para a construção de infraestrutura na região. “Explicamos as particularidades do serviço e pelo visto eles entenderam bem. Acho que amanhã poderemos chegar a um bom termo”.

Levy também afirmou que negocia com a prefeitura da cidade uma possível alteração na legislação municipal que impôs limitações para a instalação de antenas. Segundo ele, as autoridades se mostraram dispostas a criar uma legislação “mais moderna”. Outro assunto tratado na reunião foi a liberação de licenças para que as operadoras instalem antenas. Hoje existem quase cem pedidos deste tipo parados nas mãos do poder municipal. “É importante porque ainda poderemos pedir a instalação de mais cem antenas na região para atender à demanda do 4G”, conclui.

Na segunda-feira, o SindiTelebrasil havia divulgado um comunicado no qual afirmou que “não medirá esforços para reverter a proibição das vendas na cidade.”

Disputa

O imbróglio jurídico pela melhoria da qualidade dos serviços de telecomunicações em Porto Alegre não é novo. Desde novembro do ano passado o órgão de defesa do consumidor move ação contra operadoras que atuam na região.

No processo 5064629-03.2011.404.7100, o Procon, junto com a OAB/RS, pede uma ‘produção de provas antecipada’ para medir a qualidade dos serviços prestados na cidade. O processo em questão está em curso na Justiça Federal do Rio Grande do Sul (TRF 4ª Região).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.