Eutelsat prepara instalação de equipamentos em 140 headends

A estagnação da base de TV por assinatura, com queda no DTH, não desestimulou os investimentos de Eutelsat no Brasil. Segundo Rodrigo Campos, diretor geral da operadora, o lançamento do Eutelsat 65WA teve como principal potencial de mercado o vídeo, apostando, sobretudo, na expansão do mercado de TV por assinatura, bem como na migração dos canais para a alta definição e o UHD. Segundo o executivo, a operadora terminará "nos próximos meses" a implantação de equipamentos de recepção em headends de 140 operações de TV por assinatura. Com isso, a operadora diminui o custo de entrada de novos canais em seu satélite para distribuição para as operações de TV.

"O decréscimo do DTH no último ano não foi acentuado. Acreditamos que o serviço de TV por assinatura deve voltar a crescer e o DTH sempre terá uma fatia importante", diz Campos. Segundo ele, a platforma DTH deve alcançar uma base de 20 milhões de assinantes até 2020. No mesmo ano, o número de canais em alta definição no país deve atingir 627.

Banda larga

A outra grande aposta da operadora no Brasil é a banda larga. Segundo Campos, que afirma que o satélite ajudará a minimizar a falta de infraestrutura no Brasil: o país tem 65 mil comunidades rurais sem acesso à banda larga. 

A Eutelsat vendeu toda a sua capacidade de banda larga em banda Ka do satélite 65WA no Brasil para a Hughes, que será responsável pela comercialização do serviço no país. Além dos 16 feixes negociados com a Hughes, o satélite tem outros 8 em banda Ka, com cobertura em outros países da América Latina, que também já estão negociados em sua totalidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.