Associação InternetSul critica decisão do STJ que libera Oi para participar de leilões

Após decisão do Superior Tribunal de Justiça na semana passada de suspender liminar que impedia a Oi de participar de licitações públicas, a associação de provedores de Internet do Sul (InternetSul) emitiu nota repudiando a medida, afirmando se tratar de "risco à concorrência leal no mercado". Em comunicado, a entidade afirma que o STJ estaria abrindo precedente de "criar condição especial à Oi" e que "coloca em risco a neutralidade do sistema de concorrências públicas, e também fere gravemente a lei geral das licitações". Procurada por este noticiário, a Oi informou que não comenta ações em andamento.

A decisão do presidente do STJ, ministro José Otávio de Noronha, emitida no último dia 3, dispensa a Oi de apresentar as certidões negativas e libera a participação nos certames com o poder público. O ministro suspendeu a liminar da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, onde corre o processo de recuperação judicial da Oi, acatando o argumento utilizado pelo grupo de que a paralisação geraria lesão à ordem administrativa, social e econômica, além de reduzir em aproximadamente R$ 960 milhões as receitas da companhia. Há ainda a questão de interesse público: o Grupo Oi alegou que, além de lesões aos bens jurídicos, haveria o risco de colapso nos serviços de telecomunicações em todo o território nacional, concentração de mercado e perdas financeiras. "Ainda que exista dúvida sobre o valor do dano à ordem econômica decorrente da decisão impugnada, o fato é que ele existe, pois a suspensão da decisão do juízo falimentar compromete diretamente o exercício das atividades desempenhadas pelas requerentes", disse Noronha em sua decisão.

No entendimento da entidade de provedores do Sul, a medida teria usado como base legislação recente da 1ª Turma do STJ, que determina que empresas em recuperação judicial podem concorrer em licitações, desde que demonstrando viabilidade econômica e capacidade de executar o contrato. Para a InternetSul, essa nova regra pode trazer impactos onerosos para demais companhias que estão "em conformidade com o fisco e a lei". A associação ainda destaca que os ISPs têm avançado no mercado de banda larga, e que exite uma "grande oportunidade no segmento público com a transformação digital". Por isso, alegam que os provedores podem ter prejuízos com "possíveis favorecimentos aos players maiores".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.