Publicidade
Início Newsletter Primeira proposta de TAC da Oi é apresentada no Conselho Diretor da...

Primeira proposta de TAC da Oi é apresentada no Conselho Diretor da Anatel

O conselheiro Rodrigo Zerbone apresentou, nesta quarta-feira, 16, a primeira proposta de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que prevê a troca de em torno de R$ 1,2 bilhão em multas da Oi por investimentos em fibras ópticas ou rádios IP de alta capacidade (2,5 Gpbs, no mínimo), em 273 municípios onde a expansão da rede requer investimentos VPL (Valor Presente Líquido) negativo em quatro anos. A operadora terá um prazo de 30 dias para dizer se aceita a proposta, que é diferente da que apresentou originalmente. Porém, somente será notificada após o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovar o teor, conforme medida cautelar expedida pelo ministro Bruno Dantas.

A proposta, porém, não foi votada. O conselheiro Anibal Diniz disse que não se sentia com condições para se posicionar e pediu vista. Ou seja, a proposta só volta no final de janeiro de 2016, quando o Conselho Diretor da Anatel volta a se reunir.

Além do expansão da rede em municípios pouco atrativos economicamente, a proposta do TAC da Oi prevê que a operadora leve fibra óptica para perto de 1 milhão de domicílios no Baixada Fluminense e das regiões oeste e norte da cidade do Rio de Janeiro durante quatro anos. Esse projeto não entra na troca por valores de multas, porque se trata de correção de conduta, uma vez que a muitos descumprimentos de metas de qualidade da operadora são observados naquele estado, em função de uma falha estruturante na rede da cidade, existente antes da privatização.

Notícias relacionadas

Outras condutas de qualidade e universalização terão que ser corrigidas de acordo com um cronograma que será estabelecido. O cumprimento das metas será verificado a cada seis meses e a empresa será multada diariamente e, ao final dos quatro anos, poderá ser multada também por item. Para os compromissos adiocionais podem entrar ainda R$ 101 milhões que a operadora deve no cumprimento de condicionantes para a anuência prévia para compra da Brasil Telecom.

A proposta da Oi para compromissos adicionais foi de dar desconto direto as assinantes do serviço básico da telefonia durante 10 anos. Para o relator do processo, conselheiro Rodrigo Zerbone, o prazo passa daquele previsto para o TAC, que é de quatro anos. O TCU teve mesmo entendimento.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile