Marco Aurélio Rodrigues deixa a Qualcomm

O presidente da Qualcomm, Marco Aurélio Rodrigues, anunciou nesta terça-feira, 16, sua aposentadoria depois de 13 anos na companhia no Brasil. Suas funções serão assumidas pelo atual diretor de desenvolvimento de negócios, Paulo Breviglieri, que está na empresa desde 2004. Breviglieri já foi diretor de tecnologia, planejamento e engenharia de rede da Vésper e diretor de sistemas wireless da Ericsson. Ele vai se reportar ao vice-presidente para a América Latina, Flávio Mansi.
Em 2009 a Qualcomm espera manter o crescimento no País, apesar da desaceleração mundial na área de processadores para dispositivos móveis. Segundo Marco Aurélio Rodrigues, o Brasil deve continuar crescendo em banda larga, segmento em que o País é bastante carente. Ele também reforça que os presidentes das operadoras móveis, sem exceção, anunciaram a disposição de continuar investindo em suas redes no próximo ano. "Haverá impacto da crise mundial, mas é muito difícil de dimensionar. Os mercados emergentes continuarão liderando o crescimento", disse o executivo.
A previsão da Qualcomm é que as vendas de dispositivos móveis cresçam 63% até 2012, com a liderança dos países em desenvolvimento. Nesse período o crescimento de assinantes de 3G na América Latina, segundo a companhia, será de 354%.

Notícias relacionadas
A grande aposta da Qualcomm para 2009 é o chip Snapdragon, voltado para os chamados netbooks (dispositivos com mais capacidade que os atuais smartphones e menores que um notebook). O chip da empresa chega em 2009 embarcado em um equipamento da chinesa Inventec, além de negociar com dez outros fabricantes.
Outro equipamento que chega em 2009, também pela Inventec, é um dispositivo de baixo custo para acesso à internet. É uma pequena caixa, ainda em fase de protótipo, em que o usuário conecta seu próprio monitor, teclado e mouse para acesso à rede. Tem 128 Mb de memória RAM e 512 Mb de memória flash e conta com o browser Opera. Os chips da empresa também integram o smartphone G1 da Google e HTC, e o Inq, um celular que funciona com o software da Skype. A empresa também se prepara para oferecer componentes para os terminais que funcionarão nas redes HSPA+, uma evolução da 3G, com taxas de tráfego de dados de 21 Mbps.
Espectro
Marco Aurélio Rodrigues reforça que cabe à Anatel cuidar com atenção do espectro do SMP, identificando seu espaço para o futuro. "Devem ser tomadas medidas concretas em um trabalho a longo prazo, assim como foram reservadas as faixas para o 3G ainda no ano 2000",diz o executivo. Para ele é necessário identificar novas faixas para que as operadoras possam se programar para daqui a cinco anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.