Publicidade
Início Newsletter Desktop também reduz ritmo de construção de redes de fibra

Desktop também reduz ritmo de construção de redes de fibra

Assim como outros provedores regionais de banda larga, a Desktop reduziu o ritmo de construção de redes de fibra óptica ao longo do terceiro trimestre de olho em uma maior lucratividade.

No início da semana, a operadora paulista apresentou resultados financeiros para o período de julho a setembro, abordados nesta quarta-feira, 16, em call com investidores. No trimestre, a Desktop gerou R$ 187 milhões em receita líquida (alta de 99%), R$ 95 milhões de Ebitda ajustado (salto de 140%) e lucro líquido de R$ 36 milhões.

Já as casas passadas (HPs) com fibra alcançaram 3,7 milhões, após adição de 217 mil HPs nos três meses em questão. Nos dois primeiros trimestres de 2022, a média de construção de HPs pela provedora regional era de cerca de 300 mil.

Notícias relacionadas

Segundo o CEO da Desktop, Denio Alves Lindo, a queda de quase 30% no ritmo de novas casas passadas foi motivada pelas incertezas com o cenário macroeconômico e por um foco em eficiência operacional e no retorno dos investimentos feitos na construção e aquisição de redes FTTH.

Lógica similar afetou a adição de clientes da Desktop, que somou 37 mil novos acessos no trimestre, para 749 mil assinantes. A desaceleração foi explicada como um “ajuste controlado sobre ritmo de crescimento“, com critérios como maior valor e menor custo de aquisição de cliente sendo priorizados. Ainda assim, um ganho de market share no mercado paulista foi comemorado pela provedora.

Lucratividade

Além da ativação de clientes e de HPs, um redimensionamento de pessoal e a renegociação de contratos estão na lista de trinta medidas tomadas pela Desktop para proteger a margem de lucratividade da companhia.

Como resultado da estratégia, a margem Ebitda da provedores regional atingiu 50% no terceiro trimestre (frente 42% um ano antes); nos próximos meses, o número pode oscilar com a abertura de novas cidades em que a Desktop comprou ativos, apontou o comando da empresa.

Em agosto, a Desktop acordou a compra das paulistas Fasternet e IDC, em operações que envolvem mais de 150 mil clientes e que devem ter updates nas próximas semanas, inclusive a respeito da origem dos recursos para o posterior fechamento. A empresa afirma estar mais criteriosa em relação a novos M&As, mas ainda aponta otimismo com a entrega de crescimento inorgânico.

Endividamento

Nos nove primeiros meses de 2022, a Desktop já realizou um investimento (capex) ajustado de R$ 393 milhões.

Já em termos de endividamento, a provedora regional somou R$ 959 milhões entre dívida líquida e parcelas a prazo de aquisições. A alavancagem ao fim do terceiro trimestre ficou em 2,5x na relação entre dívida líquida/Ebitda pro forma anualizado, sendo que nesta base o indicador teve inflexão frente ao segundo trimestre (quando marcava 2,8x). Segundo a Desktop, 85% da dívida da empresa é de longo prazo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile