Publicidade
Início Newsletter Tempo de análise no Cade da venda da Oi Móvel dependerá de...

Tempo de análise no Cade da venda da Oi Móvel dependerá de quem comprar, diz ministro

Foto: Free-Photos/Pixabay

Em live no Instagram nesta quarta-feira, 16, o ministro das Comunicações Fábio Faria disse que o tempo de avaliação da compra da parte móvel da Oi pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vai depender de quem for o comprador.

Faria disse que tem conversado com o presidente do Cade, Alexandre Barreto, e recebeu a informação de que se o comprador for uma empresa como a Highline, a análises dos impactos de concorrência e concentração seriam mais rápidos. Já se o negócio for fechado com as três operadoras brasileiras, Claro, TIM e Vivo, a avaliação seria mais longa porque as análises de impacto e concentração de mercado seriam feitas por cada estado, o que demandaria mais tempo. O consórcio das teles é quem ficou com a preferência no processo de concorrência.

Barreto já tinha manifestado em entrevista ao canal CNN, no final de julho, que a venda de ativos da Oi, incluindo a divisão de celular (Oi Móvel), traz preocupações concorrenciais, especialmente se a empresa aceitar a oferta conjunta da Claro, TIM e Vivo por R$ 16,5 bilhões. Na ocasião, ele disse que acredita que a operação de concentração, se fechada com o consórcio de operadoras, deverá sofrer grande escrutínio por parte do órgão para impedir que se torne prejudicial para a economia e para os consumidores.

Notícias relacionadas

Ofertas vinculantes

Na semana passada, Fábio Faria disse que conversou com interlocutores da Highline. Na conversa, o Ministro das Comunicações ouviu que a empresa tem interesse no mercado de infraestrutura de telecom brasileiro e nos ativos da Oi – que aprovou na última terça-feira, 8, um aditamento de seu plano de recuperação judicial.

Embora ainda possa estar no páreo pelos ativos móveis, a companhia também tem interesse em fazer oferta vinculante para a unidade de infraestrutura, a InfraCo, e já tem uma status de preferência (stalking horse) para a divisão de torres.

No final de julho, a Oi chegou a dar à Highline a exclusividade da negociação para a venda da Oi Móvel, deixando, na ocasião, a proposta feita pelas operadoras Claro, TIM e Vivo na fila. A Highline é uma empresa operadora de torres que tem por trás o fundo Digital Colony e mais um consórcio de investidores em infraestrutura. Uma semana depois, as três operadoras brasileiras fizeram uma nova oferta conjunta vinculante de R$ 16,5 bilhões, na tentativa de cobrir a apresentada pela Highline, que inclui também a possibilidade de o Grupo Oi assinar contratos de longo prazo para uso de infraestrutura.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile