Blah! fecha contrato com operadora asiática

A Blah!, empresa brasileira que desenvolve serviços de valor agregado para telefonia celular, fechou seu primeiro acordo com uma operadora asiática, a Smart Communications, das Filipinas. O contrato, que não pode ter seus valores revelados, representa um importante passo na estratégia da empresa de criar uma comunidade mundial de usuários Blah! ?A Smart tem a maior receita de dados móveis do mundo, cerca de 30% de seu faturamento é proveniente de serviços de valor agregado?, explica o CEO da Blah!, Federico Pisani Massamormile. Na Europa, a média de receita de dados entre as teles é de 10% e na América Latina esse número não passa de 3%.
A Smart tem 10 milhões de assinantes e um tráfego de 200 milhões de mensagens curtas por mês. Embora o executivo não possa dar mais detalhes de seu contrato com a Smart, revelou que a entrada em uma operadora desse porte representa um crescimento de 15% a 20% na receita mensal da Blah!.
O modelo de negócio utilizado é revenue sharing (compartilhamento de receita), em que a empresa ganha um porcentagem, variável de acordo com a operadora, pelo tráfego gerado na utilização dos seus serviços.

Notícias relacionadas
A Blah! presta serviços também em diversos países da América Latina e para a norte-americana Verizon Wireless, que possui 34 milhões de assinantes, quase o mesmo número de toda a base de usuários móveis do Brasil. Segundo Massamormile, a empresa tem hoje 2,6 milhões de usuários e esse novos contratos devem fazer com que o número de assinantes chegue a 3 milhões até o final do ano. ?Em 2005, a expectativa é ter 10 milhões de usuários, sendo 50% na América Latina e 50% no restante do mundo?. Hoje, 70% da base de clientes da empresa é brasileira.
Ele explica que a Blah! ainda não investiu na Europa ou em outros países asiáticos porque primeiramente estão criando comunidades virtuais que falem português, espanhol e inglês.
As Filipinas foram o primeiro país com grande número de usuários que falam o inglês fora dos EUA com o qual a empresa fechou contrato. Mas segundo Massamormile novos contratos são negocidos com outros países daquele continente.
Devido à questão lingüística, a empresa que nasceu como um braço de desenvolvimento de aplicativos da Telecom Itália, ainda não fechou um contrato com a operadora na Europa. ?Vamos fazer isso em um segundo momento, quando passarmos a investir e criar produtos para outras línguas?, explica o executivo.
Até o final do ano, Massamormile diz que fecharão mais quatro ou cinco contratos com operadoras móveis, sendo um deles no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.