Impulsionado pelas femtocells, mercado de small cells chegará a US$ 14,3 bi em 2017

O mercado de small cells externas deverá chegar a US$ 14,3 bilhões em 2017, de acordo com a previsão da empresa de pesquisa ABI Research divulgada nesta segunda-feira, 16. Os dados coletados levam a crer que esses equipamentos, incluindo femtocells, pico e microcélulas, além de hotsposts Wi-Fi, deverão chegar a pouco mais de um milhão de unidades, passando a previsão de 954 mil macrocélulas para este ano.

Notícias relacionadas
O mercado de small cells externas deverá obter 53,8% de taxa composta de crescimento anual (CAGR, na sigla em inglês), chegando ao número de 9,3 milhões de unidades daqui a cinco anos. A categoria de aumento mais rápido será a de femtocells com consumo elétrico de menos de 1 Watt, chegando a 81,5% de CAGR para alcançar 1,5 milhão de unidades e uma receita de US$ 5,4 bilhões em 2017.

A classe de small cells utilizadas no Wi-Fi provido pelas operadoras também crescerá rapidamente com 60% de CAGR, atingindo as 6,8 milhões de unidades e receita de US$ 1,7 bilhão em 2017. Junto com as femtocells, essas duas categorias serão responsáveis por 50% do faturamento e 89% das unidades daqui a cinco anos. O restante será constituído por pico e microcélulas, que são mais caras.

Para a ABI Research, as small cells possuem características mais competitivas, como a capacidade de lidar com maior variação de temperatura. Além disso, a radiofrequência é mais sofisticada para o consumo interno e para femtocells corporativas. No entanto, a indústria precisará lidar com alguns desafios, incluindo provisionamento de backhaul, mitigação de interferência, gerenciamento de rede, políticas de integração e roaming. Ainda assim, a consultoria afirma que soluções inovadoras estão sendo oferecidas hoje e que esses obstáculos estão "a caminho de serem resolvidos", o que deverá acabar por acelerar a adoção das small cells.

As femtocells são uma alternativa tecnológica para as operadoras driblarem a saturação do acesso móvel. Esses aparelhos criam uma espécie hotspot que capta os sinais dos aparelhos celulares de determinada residência ou empresa. A grande diferença de uma ERB comum, além do alcance do sinal, é que ela se conecta na rede da operadora por meio de um acesso de banda larga fixa já disponível no local.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.