Claro aposta em maior visibilidade e grande base de usuários para atrair conteúdos

Para ampliar sua oferta de serviços de valor adicionado, a Claro deu início a negociações com desenvolvedores de aplicativos para adquirir direitos de comercialização de apps e serviços. Mas diferentemente das lojas de aplicativos como Google Play e Apple App Store, a Claro oferece aos parceiros a oportunidade de vender seus produtos à base de clientes da operadora com um retorno de 40% sobre o valor total da venda.

Notícias relacionadas
O gerente de serviços de valor adicionado da Claro, Rafael Lunes, explica que embora a taxa seja mais baixa do que a praticada pelas lojas de aplicativos das fabricantes de sistemas operacionais (que oferecem revenue share de 70% aos desenvolvedores, índice impraticável para as operadoras por conta dos impostos de telecomunicações, que consomem 30% da receita dos serviços), o modelo pode ser atraente aos olhos dos desenvolvedores porque dá a oportunidade de atingir a base de dezenas de milhões de clientes da tele com mais destaque. “Se o conteúdo for bom, vou divulgá-lo. Por outro lado, as lojas de aplicativos têm mais opções e você nem sempre consegue se mostrar. Lá tem muito conteúdo de qualidade que não aparece”.

OTT

Lunes aproveitou sua participação no 11° Tela Viva Móvel, nesta quarta, para reiterar que a Claro não vê como ameaça aos seus serviços de SMS e voz o avanço das aplicações de mensagem e telefonia over-the-top, ou seja, que funcionam em cima da rede de dados. Para a Claro, esse movimento já foi mais ameaçador, mas a realidade é que os serviços de SMS e voz nunca estiveram em um momento melhor, diz Lunes.

Outra estratégia da empresa consiste em deixar de ser apenas provedora de conexão e atuar também provendo conteúdo, aproveitando-se, por exemplo, dos acervos em vídeo de empresas do grupo, como a DLA, adquirida pela América Móvel no final do ano passado.

E, para que o serviço seja interessante para o consumidor, a empresa adotou a estratégia de cobrar um valor fixo mensal ou por acesso pelo conteúdo, abrindo mão da tarifação do tráfego de dados quando a Internet móvel for usada para consumir os serviços OTT oferecidos pela operadora. “Poderíamos cobrar os dois, mas para o cliente não valeria a pena e ele iria assistir em outro canal. Afinal, o consumo de dados é como um taxímetro ligado que ele só sabe quanto pagará no final”, afirma.

O executivo afirmou ainda que esta é uma maneira das operadoras competirem com empresas como Netflix e outras de vídeo online. Hoje a Claro oferece serviços de vídeo, músicas, jogos e aplicações virtuais. Segundo Lunes, um exemplo de que esta formula pode dar certo é o Ideias TV, serviço de vídeo via streaming da Claro. “Nos últimos seis meses conseguimos mais de 500 mil acessos”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.