Abrafix defende reversibilidade da nova rede

Em meio à confusão gerada dentro do Conselho Consultivo da Anatel sobre a reversibilidade ou não do backhaul de banda larga, a associação que congrega as concessionárias de telefonia fixa, principais beneficiárias caso a rede não retorne à União, divulgou formalmente sua interpretação do caso. Para a Abrafix, o backhaul é reversível, com ou sem a cláusula no aditivo aos contratos de concessão esclarecendo o tema.
Em nota encaminhada à Teletime News, o presidente da associação, José Fernandes Pauletti, explicou que o entendimento é que esta rede, ao ser tratada pelo governo como uma evolução da capacidade da rede associada ao STFC, deve ser considerada como integrante na lista de bens reversíveis à União.
"Representando as concessionárias associadas, a Abrafix gostaria de reiterar, para que não pairem quaisquer dúvidas, o seu entendimento de que os 'backhauls' instalados em razão das substituições dos PSTs anteriormente previstos, constituem bens reversíveis à União Federal, ao final do período das concessões do STFC", informa o presidente na nota.

Notícias relacionadas
No dia 8 de maio, a Teletime divulgou nota com declarações de Pauletti de que a discussão sobre a reversibilidade do backhaul era polêmica. O presidente da Abrafix esclareceu que a confusão ao qual se referia não era sobre a reversibilidade em si da rede, mas o quê entra ou não nesta lista de bens reversíveis. Para a associação, não há dúvidas de que a rede é reversível, por servir como suporte a todos os serviços, inclusive do STFC. O que ficaria de fora são os equipamentos para a prestação exclusiva dos serviços de banda larga, que não podem ser associados aos serviços de telefonia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.