Interferências na questão do capital estrangeiro

A saída da C.R. Almeida do consórcio Tess era apontada por muitos como um ótimo motivo para forçar o governo a liberar a participação do capital estrangeiro no processo de privatização da Telebrás. Neste aspecto, as conseqüências que o ato de "reentrada" promovido C.R. ainda não estão totalmente avaliados. Mas como um dos argumentos da construtora na ação que move contra a Telia é justamente o fato de a Telia (empresa estrangeira) ter assumido 90% do capital social do Tess (o que seria proibido pelo edital), o governo pode voltar a tender para a proteção das empresas brasileiras. Ou ainda, numa linha de raciocínio oposta, abrir de vez a participação estrangeira para evitar que empresas nacionais utilizem destas proteções legais como forma de barganha nos consórcios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.