Coronavírus: especialistas alertam para limpeza dos smartphones

Foto: Pixabay.com

[Publicado no Mobile Time] O smartphone está nas mãos, no bolso, na mesa de trabalho, na mesa do almoço, no transporte público e até no banheiro. Neste cenário com o handset junto ao usuário o tempo todo e com uma crise de pandemia mundial em curso algumas questões se impõem: o aparelho pode contaminar uma pessoa com o novo coronavírus (covid-19)? Quais cuidados se deve ter com o dispositivo móvel? Como limpá-lo apropriadamente? Com essas questões em mente, Mobile Time conversou com especialistas para entender o melhor modo de atuar e proteger o celular.

O Centro de Controle de Doenças (CDC) norte-americano, por exemplo, explica que as pessoas devem limpar qualquer objeto de alto contato, como maçanetas, banheiros, balcões, assim como smartphones, tablets e teclados.

Notícias relacionadas

Adilson Westheimer Cavalcante, coordenador científico do departamento científico de infectologia da Associação Paulista de Medicina (APM), confirmou que o celular pode passar o vírus, mas o especialista acredita ser difícil, por se tratar de um dispositivo bem pessoal e unitário.

"Se existir o coronavírus no celular, ele pode passar para seu dono. Mas o aparelho não é compartilhado por pessoas, como era o orelhão. O celular, teoricamente, é um objeto de uso pessoal", explicou o médico. "Contudo, se você tem um aparelho de comunicação comunitário, ele pode ser uma fonte de transmissão, sim.  E,se eventualmente emprestar o handset para alguém, é preciso fazer a limpeza do aparelho".

O indicado, segundo Cavalcante, é limpar o celular com "um pano úmido à base de álcool ou cloro" para eliminar vestígios de contaminação. Sobre quanto tempo um celular pode manter o vírus vivo, o especialista afirmou que estudos preliminares indicam até nove horas. Mas ressaltou que ainda não é conclusivo, pois a doença é nova e está sob averiguação da comunidade científica.

O coordenador de infectologia da APM frisou a importância de limpar as mãos com água, sabão e álcool gel neste processo, uma vez que ela que seria o contato principal para transmitir o novo coronavírus: "Você tem que ter contato com a superfície inanimada, como é a do celular (para receber o vírus). Mas a mão, sim, ela pode transmitir se levar para nariz, boca e olhos. Pelo ouvido, não pega a doença. Um celular dentro de um escritório carregado com Covid-19 não vai transmitir. É diferente de uma pessoa que fala, tosse e espirra. Essa, sim, transmite o vírus pelo ar para outras pessoas".

"Uma vez feita a limpeza do celular, você limpou o coronavírus. Mas o mais importante é a limpeza das mãos, elas precisam ser higienizadas com frequência. Se a mão estiver limpa, ela ajuda a eliminar a possibilidade de doença", completou. "Lavar as mãos antes e depois do restaurante, após sair do banheiro, após tocar superfícies compartilhadas (maçanetas, botão de elevador, catraca etc.), e evitar compartilhamento de objetos pessoais".

A ideia de não emprestar o celular para terceiros é enfatizada pela operadora AT&T a seus usuários nos Estados Unidos. Em um guia divulgado, a empresa indica a seus assinantes para compartilharem fotos por sistemas de mensagens (SMS ou WhatsApp) no lugar de passar o celular para outra pessoa. A operadora também pede para evitar tirar o celular do bolso ou da mochila em um local público, além de usar um fone Bluetooth para não ficar com o handset em suas mãos ou próximo do rosto o tempo todo.

Vale lembrar, o Ministério da Saúde brasileiro confirmou 98 casos com Covid-19 na tarde desta sexta-feira, 13, sem nenhuma morte. No mundo, a OMS contabiliza 132,7 mil casos e 4,9 mil mortes. A maioria delas ainda é na China, 80,9 mil infectados e 3,1 mil mortos.

Fabricantes

Os mesmos procedimentos são indicados pelas principais fabricantes do País. Fabio Faria, gerente de marketing da Asus no Brasil, recomenda passar um álcool isopropílico (solução de 70%) em um pano e depois limpar o aparelho inteiro. Samsung e Apple têm um passo a passo similar para seus usuários fazerem a higienização correta do handset.

Basicamente as etapas para limpeza são:

  • Antes de começar, desligue o smartphone, remova qualquer capa e desconecte todos os cabos ou acessórios;
  • Use um pano de microfibra macio e sem fiapos – como um pano de limpeza de lente de câmera – para limpar suavemente a superfície externa do handset;
  • Evite a umidade em qualquer abertura e não aplique soluções líquidas diretamente no seu smartphone. Se necessário, umedeça o canto de um pano com uma pequena quantidade de água destilada ou à base de álcool (mais de 70% de etanol ou álcool isopropílico) e delicadamente limpe a parte frontal e traseira do smartphone sem aplicar muita pressão. Evite uma limpeza excessiva;
  • Não use ar comprimido e não aplique nem pulverize alvejantes ou soluções de limpeza diretamente no smartphone;
  • A recomendação de limpeza destina-se apenas às superfícies de vidro, cerâmica e metal do smartphone; não é recomendado para acessórios macios, ou seja, aqueles feitos de couro, borracha ou plástico.

No site da Apple tem o passo a passo para limpeza dos smartphones e de outros aparelhos, como os Macbooks.

Evitar

Um ponto importante para ressaltar é que os sprays vendidos para limpeza de tela são apenas para efeito estético, não servem para limpar o handset apropriadamente, como explica Tatiane Moura, fundadora da Fixonline.

"Aqueles sprays vendidos em assistência servem para lustrar e deixar a tela desengordurada. Eles têm um efeito estético, não servem para limpar germes, por exemplo", explicou a empreendedora. "Na nossa empresa, nós fazemos muitos reparos de aparelho. Por padrão, fazemos higiene para nossa própria segurança. Usamos um pano de microfibra com álcool isopropílico ou álcool gel, que é de mais fácil acesso, pois tem no mercado. O isopropílico é usado em assistência técnica para limpeza de componentes. Mas não é comum as pessoas comprarem".

Moura afirmou ainda que, embora indicado por médicos, a sua empresa não usa soluções de limpeza à base de cloro por receio de danificar o smartphone.

Importante dizer, mesmo sem o novo coronavírus (Covid-19) é sempre importante manter o celular limpo. Um estudo recente do National Center for Biotechnology Information encontrou em média 17 mil bactérias em celulares de estudantes do ensino médio nos Estados Unidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.