TRF rejeita recurso da União e da Anatel sobre bens reversíveis

A 5ª turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, rejeitou nesta quarta-feira, 16, os recursos da União e da Anatel na questão dos bens reversíveis – ou seja, os bens indispensáveis à prestação do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) – mantendo a sentença que julgou parcialmente procedente a ação civil da associação de consumidores Proteste.  A decisão da turma julgou improcedente o recurso e negou provimento às apelações da União e da Anatel, seguindo voto do relator, o desembargador federal João Batista Moreira.

Na ação original de 2011, a associação de consumidores obteve vitória ao pedir que o inventário do patrimônio em poder das teles e retornável à União, ao final dos contratos de concessão, em 2025, seja tornado público. A ideia era garantir que as teles não colocassem a venda os bens sem avaliação prévia. Foi pedido ainda que a Anatel fosse obrigada a apresentar o inventário e as listas de bens correspondentes aos contratos assinados em 1998 e 2006, além de exigir a anexação do inventário dos bens reversíveis.

A apelação da Anatel e União se baseou no argumento de que seria desnecessária a inclusão do inventário porque, no processo de privatização, as teles poderiam dispor sem limites do acervo de bens vinculados às concessões com a justificativa de que seriam propriedade privada. No entender da Proteste, como os bens estão relacionados à prestação de serviços públicos, estão sujeitos a regime especial e, ainda que a propriedade seja do ente privado, só pode ser alienada com a anuência prévia da agência.

Em comunicado, a Proteste comemora a decisão e pede que o julgamento das apelações "seja pautado pelo interesse público e respeito aos mecanismos de proteção dos bens reversíveis e de garantia da continuidade e modicidade tarifária, com vistas a assegurar que redes públicas poderão servir à democratização das telecomunicações e inclusão digital". O processo de número 0029346-30.2011.4.01.3400 pode ser consultado no sistema do site do TRF.

No final do ano passado, o Tribunal de Contas da União, em acórdão sobre a auditoria dos bens reversíveis, determinou que a Anatel encaminhasse em 180 dias a apuração do valor total dos recursos obtidos por cada concessionária em todas as alienações de bens reversíveis desde 1998.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.