Qualcomm esclarece proposta de adoção de AFC no Brasil

[Publicado originalmente no Mobile Time] A Qualcomm esclarece que a ideia de trazer para o Brasil o modelo de AFC (Automated Frequency Coordination) não significa tirar das mãos da Anatel o controle sobre o gerenciamento de espectro, mas auxiliá-la na operacionalização desse trabalho através de empresas terceiras por ela autorizadas para essa finalidade e somente em faixas definidas pelo órgão regulador. Isso poderia ser útil especialmente em frequências compartilhadas por diferentes tecnologias e aplicações. Nos EUA, por exemplo, o AFC é usado na faixa de 3,5 GHz. 

"O gerenciamento de espectro continua com a Anatel. Ela tem a palavra final. As empresas especializadas vão operacionalizar as atividades em nome da Anatel", explica Francisco Giacomini, vice-presidente de relações governamentais para a América Latina da Qualcomm, em conversa com Mobile Time.

Essas empresas realizariam estudos para a implementação de redes sem fio e indicariam os limites de potência e cobertura para não haver interferência entre os serviços, sempre seguindo as regras estabelecidas pela Anatel. E também ajudariam a manter atualizado o banco de dados da agência sobre infraestrutura de redes sem fio.

Notícias relacionadas

Na prática, a relação dessas empresas de AFC com a Anatel seria parecida com aquela mantida entre a agência e os laboratórios de homologação de dispositivos de telecomunicações. A agência define os parâmetros técnicos que os dispositivos devem atender, mas quem realiza os testes são laboratórios devidamente homologados pelo órgão regulador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.