Teles buscam parceiros para vender IoT

As operadoras celulares estão percebendo que há uma grande oportunidade no mercado de Internet das coisas (IoT) e não estão dispostas a cumprirem um papel de vender apenas a conectividade. Elas querem comercializar soluções fim a fim para os consumidores, o que pode incluir o aparelho em si, o software e, claro, a conexão à rede móvel. Para tanto, contudo, buscam parceiros que as ajudem a modelar os serviços. Isso ficou claro nas palestras da sul-coreana SK Telecom, da francesa Orange e da inglesa EE, durante o 3G/LTE Summit, evento organizado pela Qualcomm nesta terça-feira, 15, em Hong Kong.

"IoT hoje pode ser um pesadelo para o consumidor, por causa da fragmentação de tecnologias e padrões", comentou Yves Maître, vice-presidente executivo de parcerias e objetos conectados da Orange. A ideia das teles é aproveitar essa fragmentação para se posicionarem como experts capazes de entregar uma solução completa e "plug and play". O executivo francês diz que sua inspiração veio de um projeto recente conduzido na África para o fomento de Internet móvel. Diante de um público que resistia a migrar de feature phone para smartphone, a empresa decidiu simplificar ao máximo esse processo e criou um pacote chamado Klif Pack. Ele consiste em um smartphone de entrada com Firefox OS com um SIMcard embarcado que dá 360 minutos, 100 mensagens de texto e um pacote dados durante três ou seis meses, dependendo do país, por US$ 40. É praticamente um preço subsidiado, mas quando termina o período de validade os usuários acabam comprando créditos pré-pagos para continuar usando os serviços. "Os resultados em ARPU superaram as nossas expectativas, Estamos fomentando a migração de feature phone para smartphone", relata Maître.

A ideia é adotar a mesma estratégia do Klif Pack com IoT. Por ser um conceito novo com o qual os consumidores talvez tenham alguma resistência, a saída é vender um pacote fechado, com tudo pronto para começar a usar imediatamente. Um primeiro exemplo foi lançado na Inglaterra pela operadora EE: uma câmera para gravar esportes de ação que já vem com um SIMcard embutido e plano de dados. A câmera acompanha um relógio no qual se pode monitorar o que está sendo filmado. "É como um canal de TV privado para você transmitir para um grupo de amigos via rede social ou email", descreveu Fotis Karonis, CTO da EE.

"Não podemos ser apenas um cano burro. Vender conectividade não é suficiente. Temos que ter redes inteligentes", resumiu Jin-Hyo Park, vice-presidente sênior de tecnologia de rede da SK Telecom, que aposta em soluções de carros conectados, saúde móvel e casas inteligentes.

Forum Mobile+

O papel das operadoras no mercado de Internet das Coisas (IoT) será debatido ao longo do dia 23 de setembro, durante a 8a edição do Forum Mobile+. Rogério Guerra, diretor de mobilidade da Embratel Claro Empresas, fará uma palestra exatamente sobre esse tema. No mesmo evento haverá painéis sobre soluções de IoT para cidades e para a indústria.

O Forum Mobile+ acontecerá nos dias 22 e 23 de setembro, no WTC, em São Paulo. O evento é organizado pela Converge Comunicações e sua curadoria é feita pelos editores do MOBILE TIME (Fernando Paiva), TELETIME (Samuel Possebon) e TI INSIDE (Claudiney Santos). A grade atualizada do evento e maiores informações estão disponíveis no site do Forum Mobile+. Inscrições podem ser feitas pelo telefone 0800-7715-028.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.