Índice de acesso a Internet em dois terços dos municípios brasileiros é menor que nos grandes centros urbanos

Foto: Pexels

A pesquisa "Fronteiras da inclusão digital: dinâmicas sociais e políticas públicas de acesso à Internet em pequenos municípios brasileiros", lançada nesta terça-feira, 14, mostra que apesar do avanço de conectividade em municípios de até 20 mil habitantes, o percentual de usuários de Internet entre os indivíduos que vivem nesses municípios ainda é significativamente menor do que o verificado entre aqueles que vivem em centros urbanos com mais de 100 mil habitantes.

Os dados coletados da pesquisa produzida e coordenada pelo Centro de Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (Cetic.br|NIC.br), em parceria com o Programa de Acesso Digital (DAP) da Embaixada Britânica no Brasil e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostram que, nos municípios com mais de 20 mil habitantes, 66% da população possui acesso à Internet, enquanto que nos grandes centros urbanos essa taxa alcança o patamar de 79%.

O Brasil possui 3.770 municípios com até 20 mil habitantes, que representam dois terços de todos os municípios brasileiros. Ao todo, concentram 31,6 milhões de habitantes, o que corresponde a 14,8% da população brasileira, atesta a pesquisa.

Notícias relacionadas

Os dados também mostram que as barreiras mais comuns para a falta de acesso por indivíduos que vivem em municípios com até 20 mil habitantes referem-se às habilidades para o uso. Assim, 72% dos entrevistados da pesquisa relataram falta de habilidade com o computador, seguido de falta de interesse, como resposta de 63% dos pesquisados; falta de necessidade, em 56%; preocupações com segurança ou privacidade, em 46%; valor do serviço, para 43%; e para evitar contato com conteúdo perigoso, para 43%.

Para a conectividade nos domicílios, o preço é a maior barreira. Segundo a pesquisa, 62% dos entrevistados relataram não ter internet em casa por conta do preço, seguido pelo fato de os moradores não saberem usar a rede, 52%, e pela falta de interesse, 51%. "Quando analisado apenas o principal motivo para não ter Internet na residência, em aproximadamente um quarto, 28%, dos domicílios sem conexão, o valor do serviço foi declarado como a principal barreira.

Qualidade de conexão

No que se refere à qualidade da conexão, a pesquisa aponta que, considerando o país todo, houve um aumento no acesso por fibra ótica. A tecnologia é responsável por 47% dos acessos em 2020, mas esses patamares ainda não foram alcançados por pequenos municípios.

Nos domicílios dos municípios analisados, dos 63% com acesso à Internet, 36% acessam a rede por meio de conexão via cabo ou fibra ótica; 10% por conexão via satélite e 9%, por rádio.

A pesquisa mostra ainda que 23% destes domicílios acessam a Internet por meio de conexão móvel via modem ou chip 3G ou 4G. Além disso, os municípios com até 20 mil habitantes enfrentam desafios para expandir o uso de dispositivos apropriados. A maioria, 88%, dos usuários acessa a Internet pelo telefone celular por meio de Wi-Fi, e 69% usam 3G ou 4G.

O estudo "Fronteiras da inclusão digital: dinâmicas sociais e políticas públicas de acesso à Internet em pequenos municípios brasileiros" está disponível gratuitamente para download por meio deste endereço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.