Société Mondiale diz que plano da Oi é nulo e pede adiamento da AGC

Foto: Bruno do Amaral

A Société Mondiale, fundo do empresário Nelson Tanure que detém 5,28% do capital da Oi, pediu nesta quinta-feira, 14, o adiamento da Assembleia Geral dos Credores da companhia, marcada para a próxima terça-feira, 19. Na petição protocolada na 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o fundo sustenta que o plano de recuperação apresentado pela prestadora está incompleto. Faltaria um documento essencial, o Commitment Agreement, que dá garantias firmes e as condições para o aumento de capital da empresa, avalia.

Outro argumento do fundo contra o plano é que nesse documento não incluído está a previsão de pagamento de uma multa "fee" no valor de R$ 400 milhões apenas a um grupo específico de bondholders, ilegalmente favorecido pela diretoria da companhia. Na petição, o documento ressalta a existência de vários outros credores dispostos a conferir às recuperandas, em condições iguais ou melhores às dispostas no plano, a mesma "garantia" apresentada pelo grupo ilegalmente favorecido, "o que, ressalta-se desde já, importa em inegável quebra do princípio da isonomia, quiçá em irregularidades de cunho ainda mais grave".

"Se não houver o adiamento, o plano será votado sem se saber se realmente existe alguma garantia do tão propalado aumento de capital, afirmado, no curso desse processo recuperacional, como essencial para a recuperação da companhia", ressalta a Société Mondiale na petição. Além disso, destaca que o plano padece de nulidades societárias insanáveis, na medida em que tanto a legislação societária quanto o estatuto social da companhia impõem a aprovação do plano previamente pela Oi e por seus órgãos de deliberação internos.

Para o fundo, o plano deveria ter sido enviado à deliberação do Conselho de Administração da Oi, a quem compete fixar as orientações gerais dos negócios da companhia, como determina o inciso I do artigo 142 da Lei das S.A.. "Caso o Conselho de Administração entenda que o plano se encontra em conformidade com os fins sociais da Companhia, o órgão abre votação sobre o plano (que deverá ser aprovado por maioria – inc. IV do art. 140 da Lei das S.A.)", sustenta o fundo.

"Nesse sentido, se a premissa do plano apresentado pelo diretor-presidente [da Oi, Eurico Teles] está centrada na diluição de 75% da base acionária atual, e se a mecânica jurídico-econômica para isso está num aumento de capital altamente diluitivo, fora dos limites do capital autorizado, o plano nunca poderia ter sido apresentado e, consequentemente, não pode ser levado à deliberação pelos credores, sem a prévia aprovação de seus termos pela assembleia de acionistas", argumenta a Société Mondiale, amparada por pareceres de juristas.

No entendimento do fundo, a realização da assembleia geral de credores para deliberar e votar um plano de recuperação judicial "evidentemente nulo" – em decorrência de omissões, violações de legislação federal e da inobservância do correto procedimento social de deliberação e aprovação – ensejará a nulidade da própria assembleia. A Société alega que isso causaria "imensuráveis prejuízos" ao processo de soerguimento das empresas do grupo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.