Acordo entre credores e acionistas da Oi deve ficar para o último dia, prevê Schroeder

O presidente da Oi, Marco Schroeder, segue se reunindo com credores e acionistas da Oi para discutir o plano de recuperação da empresa, que será votado no dia 9 de outubro (ou, no mais tardar, no dia 23 de outubro, se não houver quorum de mais de 50% na primeira data). Como as conversas acontecem sob os termos de confidencialidade, ele não pode informar detalhes sobre o andamento das negociações. Mas acredita que o acordo só deve ser alcançado no último dia antes da assembleia. De acordo com Schroeder, ninguém discute mais a importância de um aporte de capital na Oi. A disputa agora se dá sobre como será a divisão acionária resultante deste acordo, distribuída entre credores, acionistas atuais e novos investidores. "Vai ser tenso", resumiu.

Sobre a ameaça de abertura de processo de caducidade da concessão da Oi, o executivo não acredita que a Anatel tomará qualquer decisão concreta antes da assembleia. Por outro lado, a iniciativa da agência de começar a discutir o tema de certa forma pressiona as partes envolvidas a buscarem um acordo. Afinal, não é do interesse de acionistas nem de credores que a caducidade seja aprovada. Esse é um dos motivos para que o presidente da Oi acredite que os interesses de credores e acionistas vão acabar convergindo, nem que seja no último minuto antes da votação.

A respeito da dívida da Oi com a Anatel, Schroeder lembra que os processos das multas ainda não transitaram em julgado e discorda dos valores cobrados. Ao todo, a Anatel cobra cerca de R$ 11 bilhões. "Se forem efetivamente cobrar isso, nem temos dinheiro em caixa para pagar. Teríamos que entregar as chaves", disse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.