VAS representou 16,3% da receita das móveis no último trimestre

No segundo trimestre deste ano, entre abril e junho, as operadoras móveis faturaram R$ 2,8 bilhões com serviços de valor adicionado (VAS), o que corresponde a um crescimento de 54,5% em relação ao mesmo período de 2009, quando a receita foi de R$ 1,8 bilhões. A informação foi divulgada nesta terça-feira, 14, pela Acision, que realiza periodicamente um estudo sobre VAS móvel na América Latina, com ênfase no Brasil, que revelou também que esse faturamento representa 16,3% das receitas das teles móveis. A média da América Latina é de 21,2%, contra 30% a 40% na Europa e Estados Unidos e 50% do Japão. A receita de VAS da Softbank, aliás, operadora móvel japonesa, já ultrapassa 50% do total e supera a de serviços de voz.
Segundo Rafael Steinhauser, presidente para a América Latina da Acision, embora o percentual de VAS do Brasil esteja abaixo de outras médias globais e pareça ser pouco, não é. "O avanço pode ser considerado positivo, uma vez que há um ano VAS representava 11,5% da receita", diz ele, que observa também que essa receita corresponde a um crescimento de 54,5% em relação ao mesmo período de 2009.

Notícias relacionadas
VAS
De acordo como estudo, a utilização de mensagens instantâneas é a que mais cresce. Por outro lado, a popularidade da música e de outros serviços de entretenimento no celular já atingiu 57% dos usuários de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre – três das cinco capitais com maior renda per capita do Brasil e que concentram 26% dos celulares do Brasil. Segundo a Acision, esse percentual foi bem superior aos 23,8% obtidos pela comScore em março passado para países europeus e os Estados Unidos. Demais serviços, como pagamento e operações bancárias pelo celular e acesso a redes sociais também têm mantido o ritmo de expansão. O SMS é o único que cresce, mas que ainda se mantém abaixo da média mundial e de outros países da América Latina.
Nos últimos três meses, o uso do SMS foi de 76%, contra 10% de instant messaging, 5% de MMS e 3% de e-mail.
Móvel supera o fixo
Esta edição do estudo, denominado Monitor Acision de VAS Móvel (MAVAM), constatou que há no País 13,9 milhões de acessos móveis, sendo 3,5 milhões de terminais de dados 3G e 10,4 milhões via aparelhos. Para aferir o uso que as pessoas fazem da Internet móvel, a pesquisa entrevistou usuários em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre e descobriu que 82% a utilizam para uso pessoal, principalmente para acesso a e-mail ou navegação na web.
Por outro lado, daqueles que não utilizam a Internet móvel, 61% dizem não ver a necessidade e 42% apontam que o preço é muito alto. Por essa razão, para 40% dos entrevistados assinar um pacote de dados é a melhor forma de pagar por esse acesso. De qualquer forma, a qualidade da Internet móvel foi considerada ótima ou boa para 60% dos entrevistados, apesar da velocidade baixa ainda ser apontada como um problema.
"O congestionamento das redes é uma das causas das baixas velocidades. Alguns estudos apontam que apenas 5% dos usuários podem gerar 80% do tráfego da rede, causando problemas de conexão e velocidade aos demais usuários conectados. Existe a alternativa de cada um pagar pelo que usa, porém de acordo com o estudo, 40% dos entrevistados ainda consideram mais adequado dividir a banda igualmente entre todos os usuários", destaca Steinhauser.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.