Governo age para adiar a LGPD, acusa Orlando Silva

deputado Orlando Silva

Em uma live organizada pelo Instituto Data Privacy Brasil, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) afirmou que, até o momento, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) ainda não entrou em vigor no Brasil porque o governo age para o adiamento. O parlamentar disse que observa várias movimentações da administração Bolsonaro em tentar a todo custo aprovar a MP 959/2020, que prorroga a LGPD para maio de 2021. A afirmação de Orlando Silva está em linha com as articulações feitas pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Senado, que TELETIME noticiou nesta quinta-feira, 13.

"O maior adversário da LGPD é o Ministro da Economia [Paulo Guedes]. Ele falou isso já em reunião fechada. Está claro que ele não entende o que é economia digital e de como a LGPD pode incrementar a economia brasileira. É um homem do analógico", afirmou o deputado.

Em uma reunião que teve com cerca de 60 associações empresariais um pouco antes da live, Orlando disse que falou francamente com os empresários que o argumento de que a LGPD não pode entrar em vigência porque não tem regulamentação seria descabido. "E não dá para colocar na conta da pandemia a prorrogação da LGPD porque não estamos na pandemia há seis meses. Tivemos todo o ano passado e não houve um decreto para regulamentar a lei", completou o parlamentar.

Notícias relacionadas

"Eu tenho todos os motivos de acreditar que há uma tentativa do governo de obstruir a implementação da lei. Observa-se que ser manter a coleta de dados das pessoas da maneira que está hoje, inclusive, para manejo político, à sombra de qualquer regra. Eu falo isso com muita tristeza. E considero isso para o Brasil uma desmoralização", desabafou o deputado de São Paulo.

O parlamentar está convencido de que a eficácia da lei depende da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). Mas admite que hoje, na prática, este entendimento está associado com a posição do governo e de diversos setores empresariais como um argumento para adiar a vigência da lei.

Orlando disse que se o governo conseguir ter sucesso na aprovação da MP 959 nos termos pretendidos, há "quase certeza" de que nos primeiros meses de 2032 haveria a possibilidade de o poder executivo publicar uma nova Medida Provisória pedindo o adiamento da LGPD para 2022.

Debate no STF

O parlamentar está atuando para que a MP 959 não seja aprovada. "Não acredito que seja adequada essa aprovação. Eu trabalho para que nós avancemos na PEC 17/2019 [que coloca a proteção de dados como um direito fundamental na Constituição]. Eu trabalho para que tenhamos uma discussão no ambiente STF sobre o descumprimento da lei pela Presidência da República", disse.

"Eu conversei com o Felipe Santa Cruz, presidente da OAB nacional, e ele se mostrou muito sensível ao tema, e entende o quanto é importante a proteção de dados. E afirmo que será uma grata surpresa se aparecer alguma iniciativa da OAB na defesa da vigência imediata da LGPD no STF", disse o parlamentar.

O relatório da MP

O parecer do deputado Damião Feliciano (PDT-PB), relator da MP 959 na Câmara, publicado semana passada, excluiu o artigo da Medida Provisória que previa a prorrogação da Lei Geral de Proteção de Dados para 3 de maio de 2021. Desse modo, caso o texto seja aprovado conforme o relatório, fica mantida a entrada em vigência da legislação em agosto, conforme sua última alteração feita pela Lei 13.853/2019.

A live do Instituto Data Privacy Brasil foi em comemoração aos dois anos de aprovação da LGPD.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.