Anatel prorroga direitos de exploração da Vivo em 850 MHz até 2028

As licenças da Vivo para exploração da faixa de 850 MHz (banda A) com vencimento até 2024 tiveram a renovação até 2028 aprovada pelo Conselho Diretor da Anatel, que votou a matéria em circuito deliberativo.

Relator do processo, o conselheiro Emmanoel Campelo decidiu não esperar um entendimento final do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a metodologia das renovações, visto que a primeira das faixas em questão (que atende o Distrito Federal) tem vencimento já em 24 de julho.

"O tema se encontra em exame pelo TCU. No entanto, ainda que a decisão final por parte da Corte de Contas possa impactar as presentes prorrogações, a Anatel não pode abandonar sua competência legal de gerir o espectro radioelétrico, em razão de uma posição ainda não confirmada pelo Plenário do TCU", afirmou Campelo, em seu parecer.

Notícias relacionadas

Dessa forma, foram seguidos os ditames do acórdão nº 510/2020 da Anatel, com todas as licenças em 850 MHz com vencimento até 2024 e que já tiveram uma primeira prorrogação sendo reunidas em um único termo de renovação, válido até novembro de 2028.

Ao fim desta data, a banda A deve ser objeto de refarming (reorganização) ao lado da banda B, com ampliação das possibilidades de uso para além do serviço móvel.

VPL

Já o valor devido pela prorrogação do direito de uso pela Vivo será calculado utilizando parâmetros de valor presente líquido (VPL), com compromissos de investimentos como alternativa de pagamento – também conforme metodologia definida pela Anatel.

"Não obstante não haver ainda posicionamento final do Tribunal [de Contas da União], observa-se que a sua área técnica, ao elaborar o Relatório de Acompanhamento, registrou que 'a metodologia que utiliza o VPL (…) vai ao encontro da jurisprudência do TCU', corroborando o posicionamento aqui adotado", apontou Campelo.

Vale lembrar, contudo, que a área técnica do TCU também questiona a legalidade da prorrogação de outorgas anteriores à Lei 13.879/2019, que estabeleceu o novo modelo de telecomunicações e passou a prever a possibilidade de renovações sucessivas de autorizações de uso de espectro. A Anatel se defende dizendo que não cabe a ela questionar a constitucionalidade ou legalidade de uma lei e que o decreto que regulamentou o novo modelo deu a possibilidade de renovação para outorgas existentes.

Caberá à Superintendência de Planejamento e Regulamentação (SPR) da Anatel estabelecer o preço público devido pela prorrogação e também os compromissos de investimento aplicáveis para a Vivo no processo. Já a Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação (SOR) está responsável pela edição do novo ato de autorização antes do vencimento do prazo vigente.

Divergência

O parecer de Campelo favorável à renovação foi acompanhado pelo presidente da Anatel, Leonardo Euler, e pelo conselheiro Moisés Moreira. Já um voto divergente foi apresentado pelo conselheiro Carlos Baigorri e seguido pelo seu par, Vicente de Aquino.

Na ocasião, Baigorri afirmou entender ser aplicável ao presente caso o pagamento de ônus bianual de 2% sobre a receita operacional líquida, conforme constante no Regulamento de Cobrança de Preço Público pelo Direito de Uso de Radiofrequências (RPPDUR).

"[No entanto] manifesto desde já que não irei em situações vindouras, em que esse tema volte à baila, nesta mesma composição deste Conselho, inaugurar esta mesma divergência, por entender que meus argumentos já foram suficientemente explorados e não terão o condão de alterar significativamente o posicionamento final do órgão", apontou o conselheiro, no voto divergente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.