Fust deve ser usado para estimular consumo dos serviços, diz gerente da Oi

Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

O uso dos recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) devem ser para garantir não somente infraestrutura de telecomunicações, mas também desenvolver o consumo dos serviços. A avaliação é do gerente de Relações Institucionais da Oi, Alexander Castro, reforçando uma bandeira da operadora desde o início da pandemia.

Segundo o executivo, a nova lei do Fust enfatiza muito o investimento em infraestrutura, mas não veda e nem inviabiliza o uso dos recursos para fomentar a demanda. "No nosso caso, levamos infraestrutura para muitos locais, mas não há uso dos serviços. Precisamos usar os recursos do Fust para estimular o uso dos serviços de telecomunicações", defendeu Castro no evento virtual organizado pelo site Tele.Síntese nesta sexta-feira, 14.

"Finalmente, depois de 20 anos de espera, estamos fazendo o que deveríamos fazer há tempos: empregar esses recursos do Fust no setor de telecomunicações. Precisamos incluir as pessoas nas áreas remotas, com serviços de telefone e acesso à Internet", prosseguiu Castro.

Notícias relacionadas

Conselho Gestor o quanto antes

Alex também apontou que é preciso nomear o quanto antes os membros do Conselho Gestor, órgão responsável pela escolha dos projetos que usarão os recursos do Fundo. "A regulamentação precisa logo ser criada para permitir a nomeação dos integrantes do Conselho Gestor. Precisamos pensar no orçamento de 2022. Além disso, regulamentação da lei precisa definir quem vai ser o agente financeiro e como serão definidas as prioridades", disse Castro.

A preocupação do executivo da Oi é para que em 2022 o Conselho já tenha projetos escolhidos para permitir o uso dos recursos, já que em 2021, os valores do Fust, R$ 857 milhões, foram contingenciados.

Castro prosseguiu dizendo que se deve preparar o terreno para 2022. "Devemos trazer a regulamentação o máximo possível para logo. É importante que ela traga alguns nortes para o Conselho Gestor se basear nas suas decisões", reafirmou.

O gerente de relações institucionais da Oi também avalia que a nova lei do Fust não inviabiliza a possibilidade de uso para o STFC. "Então, é importante que tenhamos em mente que, no cenário de desequilíbrio econômicos financeiro dos atuais contratos, seja possível usar estes recursos para garantir esse equilíbrio", defendeu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.