Responsabilidade de garantir conexão para audiência virtual é das partes, decide TRT

A 2º Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região entendeu que o responsável por garantir a conectividade de acesso à Internet para participação em audiências realizadas por meio de videconferência é da parte envolvida e dos seus advogados.

O colegiado negou recurso de um trabalhador que pedia a anulação de decisão de juiz de primeira instância proferida após não levar em consideração seu pedido de suspensão da audiência por motivos técnicos que envolviam problemas na conexão de Internet.

A decisão da 2º Turma do TRT foi unânime, e na sua defesa, o empregado informou que não participou da audiência porque não conseguiu acessar a sala virtual da audiência alegando problemas técnicos. Tanto ele quanto seus advogados e suas testemunhas tentaram sem sucesso participar da audiência, informou o empregado.

Notícias relacionadas

Para o empregado, a postura do juiz de primeiro grau em prosseguir com a audiência sem a sua presença ou a de seus advogados representou um cerceamento de defesa.

Mas, para a desembargadora que relatou o processo no TRT, Katia Maria Bomtempo de Albuquerque, as partes são intimadas sobre a realização das audiências com todas as orientações pertinentes para a sua participação, inclusive com indicação de email e telefone da secretaria para eventuais orientações sobre os procedimentos técnicos quanto à sua realização do ato, justamente para permitir que as audiências virtuais ocorram sem falhas.

"Registro mais uma vez, que o magistrado aguardou 20 minutos até o encerramento da audiência e não teve contato ou notícia da parte autora", diz Bomtempo no Acórdão da 2º Turma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.