Teles sugerem ao governo modelo e razões para privatizar Telebras

Não é segredo que as empresas privadas de telecom, especialmente as grandes operadoras e as operadoras de satélite, nunca concordaram com a recriação da Telebras, em 2010, muito menos com a significativa ampliação da atuação da estatal na disputa do mercado governamental nos últimos três anos. Por esta razão, a sinalização da área econômica do governo Bolsonaro de que privatizará a maior parte das estatais estimulou as teles a convencer o governo de que a Telebras deveria ter o mesmo destino. Segundo apurou este noticiário, já há inclusive uma proposta sugerida pelo mercado à área econômica: as redes terrestres seriam vendidas/privatizadas; o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) seria transferido para a Defesa, que o operaria e controlaria, assegurando a banda X para os serviços de Defesa e a soberania operacional do SGDC; e, ao mesmo tempo, a capacidade em banda Ka seria licitada (como aconteceu em 2017), partindo-se das mesmas condições atualmente negociadas com a Viasat, cabendo ao vencedor prestar atendimento ao programa Internet para Todos.

A proposta está baseada, conforme os documentos entregues ao governo e aos quais este noticiário teve acesso, em uma detalhada análise financeira e jurídica da estatal. Do ponto de vista econômico, a alegação das empresas privadas é que a Telebras, desde que foi recriada, tem acumulado prejuízos anualmente, que já ultrapassam R$ 1 bilhão no período de 2010 a 2017. Houve também, em quase todos os anos desde a recriação da empresa, aumento dos custos operacionais sempre acima do crescimento de receitas (só o custo com pessoal seria superior à receita da estatal, descreve o documento). Também a  capacidade de investimentos da estatal é extremamente reduzida, sendo que nos últimos anos mais de 80% do investimento estatal tem sido concentrado no SGDC, apontam as teles. Excluindo este gasto, a estatal conseguiu investir, entre 2010 e 2017, R$ 669 milhões, enquanto o setor privado investiu no mesmo período, R$ 214 bilhões. Com o SGDC o investimento da Telebras foi de R$ 2,5 bilhões desde 2010, isso porque o satélite custou pelo menos o dobro do que normalmente custa ao setor privado. Confira abaixo alguns gráficos apresentados pelo mercado ao governo sobre os números da Telebras:

Receitas vs. despesas

Fonte: Balanços da empresa. Custos em vermelho e receitas em azul

Prejuízo anual

Fonte: Balanços da empresa

Investimentos da Telebras vs. setor privado

Fonte: Balanços da Telebrás com dados do SindiTelebrasil

Do ponto de vista jurídico, a argumentação repete boa parte daquilo que foi apresentado tanto pelo SindiTelebrasil quanto pelo Sindisat nas ações judiciais movidas pelas entidades patronais contra os contratos governamentais da estatal e contra o acordo com a Viasat. Mas é importante lembrar que, até aqui, a Telebras conseguiu ver seus argumentos prevalecerem tanto junto ao Supremo quanto em relação ao Tribunal de Contas da União.

A novidade é que, ao apresentarem suas teses para a área econômica do governo, as empresas de telecomunicações estão apontando supostas ilegalidades que teriam sido mantidas inclusive pelo recente Decreto de Políticas de Telecomunicações editado no final do governo Temer (Decreto 9.612/2018), especialmente em relação às atribuições dadas à Telebras de atender ao Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) e operação das redes governamentais. Conforme esta análise jurídica, argumentam, estas atribuições não poderiam ter sido estabelecido em decreto, mas apenas por lei. Além de sugerirem um modelo de venda da Telebras ou a extinção da empresa, as operadoras pedem expressamente a revogação do artigo 12 do Decreto de Políticas de Telecomunicações e apontam que o melhor caminho para o governo seria o de criar um ambiente competitivo e com oportunidades de investimentos privados.

Vantagens e condições

As teles apresentam ainda um outro argumento para a área econômica: o de que o setor privado atendeu ao governo desde a privatização de forma eficiente e com segurança, e que os contratos ganhos pela Telebras com órgãos públicos sem a necessidade de licitação acabaram saindo mais caros e com menor qualidade para o governo.

Além disso, os requisitos de segurança que sempre foram utilizados para defender a atuação da estatal acabaram não se confirmando, pois sem capilaridade e capacidade de rede para atender todo o Brasil, a Telebras muitas vezes precisava recorrer a acordos com as próprias empresas privadas para atender aos contratos governamentais, dizem elas. Nas políticas públicas que a Telebras atende, as teles entendem que seria possível estabelecer modelos de parcerias com a iniciativa privada.

Linhas de defesa

Procurada, a Telebras disse que não comenta assuntos que estão sob a responsabilidade do Ministério da Economia, como uma eventual privatização da empresa. Mas nos bastidores sabe-se que desde a transição a estatal tem armado linhas de defesa contra uma eventual privatização.

A primeira delas está na diretoria, composta hoje majoritariamente por ex-militares, o que aproxima muito a Telebras da Defesa e de setores do governo que entendem que a estatal tem um papel estratégico. A outra linha de blindagem da Telebras é mostrar ao governo uma melhora nos resultados e sinalizar a área econômica com a sustentabilidade da empresa no curto prazo. O balanço da Telebras referente a 2018 deve sair esta semana, mas certamente indicará aumento das receitas, melhoria da margem e redução no ritmo de crescimento dos custos em relação às receitas. Os números refletem os contratos que a Telebras começou a executar em 2018, como o programa GESAC do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

As ações da empresa junto à área de fronteira com a Venezuela ou em calamidades como em Brumadinho também pesam a favor na argumentação de que a Telebras é estratégica, assim como o atendimento ao programa Internet para Todos em localidades sem conexão. A resposta que a Telebras encaminhou ao Supremo para rebater as críticas que o Ministério Público Federal fez ao acordo com a Viasat vão todos nessa linha. Outro argumento é o próprio contrato com a operadora satelital norte-americana, que tem sido, até aqui, validado juridicamente e que, se rompido, poderia ser uma sinalização ruim do Brasil ao mercado estrangeiro, sobretudo aos EUA, onde a Viasat é importante fornecedora do governo.

O acordo com a Viasat, essencial para que a Telebras possa entregar seus serviços via SGDC, tem tido a sua implementação atrasada por conta das disputas na Justiça e na esfera do Tribunal de Contas da União. A expectativa é que em 2019 a estatal, além de expandir o seu atendimento aos órgãos de governo, já pudesse começar a ver algum retorno também da atuação da Viasat junto ao setor privado (como comunicações embarcadas ou banda larga residencial), uma vez que o contrato entre as empresas prevê modelos de revenue-sharing. Mas com os sucessivos atrasos e com a incerteza jurídica que pairou sobre o acordo até aqui, não se sabe se a Viasat irá este ano além das obrigações de atendimento ao GESAC ou, no máximo, ao Internet para Todos. Lembrando que o Tribunal de Contas da União ainda não validou os termos do novo acordo celebrado entre a estatal brasileira e a Viasat, entregue em fevereiro. A boa notícia para a Telebras é que, ao que tudo indica, as condições deste contrato ficaram mais favoráveis a ela na relação com os norte-americanos.

Desafios imediatos

Mas a Telebras tem desafios em 2019 que vão além da pressão das teles privadas para uma privatização. O maior deles é a falta do Decreto 8.135/2013, revogado nos últimos dias do governo Temer para surpresa da Estatal. Este decreto é que dava a ela a prerrogativa de fornecer ao governo sem ter que disputar com outros players privados. O MCTIC ainda tenta encontrar uma forma de reeditar pelo menos uma parte do decreto, para devolver à Telebras a condição de buscar clientes sem precisar passar por processos de licitação. Este ano, sem o decreto, a estatal tem deixado de participar de algumas contratações públicas, em alguns casos porque, sendo uma empresa deficitária, não atingia com os números registrados até 2017 os índices financeiros necessários para entrar nos certames. Isso pode mudar com o balanço de 2018 publicado.

A Anatel foi um exemplo. A agência reguladora das telecomunicações fechou recentemente com um novo fornecedor para a sua rede de banda larga dedicada às unidades de fiscalização, a Embratel, que era a provedora de capacidade para a agência até ser substituída pela Telebras. No setor privado, o que se ouve é que muitos órgãos públicos em fase de escolha de fornecedores estão tentando aproveitar a janela sem o Decreto 8.135 para realizar licitações e conseguir contratos mais vantajosos. O mercado de comunicações governamentais de órgãos federais já foi estimado pela Telebras em audiências públicas em cerca de R$ 5 bilhões ao ano. O mercado fala em bem menos do que isso.

3 COMENTÁRIOS

  1. Tabela feita pelo estagiário
    Não se deve comparar investimento de uma única empresa com os investimentos totais de todas as outras do mesmo setor.
    O correto é encontrar o valor do investimento médio das empresas do setor e, aí sim, compará-lo com o investimento de uma determinada empresa, verificando se o dela supera ou não a linha de base do investimento médio do setor.
    Muito fraco os argumentos apresentados. Não resiste a uma simples análise superficial de qualquer profissional de planejamento econômico-financeiro.

    Prejuízo
    A curva do prejuízo já passou pelo seu fundo histórico em 2016 (conforme o gráfico), e agora encontra-se com viés de alta, significando redução progressiva dos prejuízos.

    Fase pré-operacional
    A Telebras ainda é considerada uma startup, em fase pré-operacional da sua principal planta de produção que é o satélite.
    Todos sabemos que na fase pré-operacional os custos superam as receitas.
    O que querem provar ignorando isso?

  2. Concordo com o Manoel Garcia. E acrescento o seguinte:

    1. Mesmo sob a "proteção" do decreto 8.135, a empresa angariou poucos contratos haja vistas dificuldades encontradas na própria máquina burocrática do governo à época e de fato não usava na integralidade as prerrogativas previstas naquele decreto.

    2. Destaque-se também que a implantação do PNBL, tem forte cunho social e importante aspecto de integração nacional. Mesmo sendo um dos importantes pilares motivadores para a reativação da empresa, teve o seu foco diminuído em face do esforço que a companhia realizou para cumprir com as obrigações que o governo havia assumido com a FIFA para realização das COPAS das confederações e COPA 2014. Parte do endividamento da companhia vem dessa época.

    3. Ainda sob o ponto de vista de integração, vale destacar que a companhia construiu o seu backbone terrestre a partir da INTEGRAÇÂO das redes de fibra ópticas das Elétricas (Eletronorte, CHESF, Eletrosul e FURNAS) e Petrobras, estabelecendo assim um aspecto de integração dessas redes de comunicação, além de otimizar os investimentos já realizados por àquelas empresas.

    4. Por fim, é bom lembrar que foi a partir da aurora da entrada da operação da rede da Telebras, que o mercado começou a praticar uma queda significativa no preço do MByte. Ou seja, muitas vezes vale a máxima "Não precisa morder, basta rosnar! "

  3. a bem da verdade, o que as teles querem é não concorrência.
    querem sempre vantagem desde a privatização, prestam um´péssimo serviço e transferem o lucro para suas matrizes.
    Não investem um centavo do ponto de vista social e já obtiverem, desde há muito tempo o superavit tarifário que norteou seus propósitos com a privatização.
    Não querem encarar a Telebrás como uma sombra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.