Publicidade
Início Newsletter Auditoria aprova viabilidade de plano de RJ da Oi

Auditoria aprova viabilidade de plano de RJ da Oi

De acordo com laudo elaborado pela auditoria da assessoria empresarial Ernst & Young, o Plano de Recuperação Judicial da Oi é viável financeiramente, desde que o aumento de capital de R$ 4 bilhões, financiamento adicionais e demais formas de captação de recursos sejam concretizados. O documento foi publicado na Comissão de Valores Mobiliários nesta quarta-feira, 13, e traz ainda projeções para o desempenho da companhia, que só voltaria a dar lucro em 2024.

O laudo considera que a Oi busca medidas para geração de caixa para honrar as obrigações financeiras, e que o Plano contempla investimentos para elevar qualidade de serviços e competitividade. Também ressalta que a companhia pretende equacionar o passivo, voltando a apresentar saúde financeira, e que para aumentar a liquidez, deverá promover alienação de ativos.

“Nesse contexto, concluímos que a aprovação do PRJ, a concretização dos aumentos de capital e captação de recursos de terceiros, bem como a consolidação das premissas previstas, possibilitarão a superação da atual crise financeira, viabilizando a continuidade de suas operações, considerando as premissas existentes no cenário econômico apresentado”, conclui o laudo. Vale notar, contudo, que a auditoria da E&Y não considera eventuais mudanças no cenário regulatório, como a aprovação do PLC 79/2016.

Notícias relacionadas

Prejuízo até 2023

De acordo com as previsões no laudo, a receita líquida para este ano será de R$ 23,850 bilhões, o que já representa uma queda de 5,22% em relação a 2016. Em 2018, ainda haveria mais queda (1,40%), passando a R$ 23,516 bilhões. De 2019 em diante, contudo, a auditoria prevê crescimentos sucessivos na receita, com um avanço médio de 5,69% até 2027, quando registraria R$ 38,674 bilhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBTIDA) deverá mais do que duplicar no período, pela previsão da EY. Embora também registre redução em 2017 (3,15%, total de R$ 6,048  bilhões), já em 2018 haverá recuperação, depois crescendo em dois dígitos de 2020 a 2025. No total de dez anos, a previsão é de crescimento médio de 10,24%, encerrando 2027 com R$ 14,608 bilhões. A margem EBTIDA passará de 25,36% neste ano para 37,77% ao fim do período.

Por sua vez, o laudo estima que a companhia deixará de ter prejuízo líquido somente a partir de 2024. A empresa reduzirá o prejuízo neste ano (de R$ 6,105 bilhões para R$ 1,103 bilhões), mas haverá um prejuízo maior a partir de 2018, com a recuperação judicial em andamento (R$ 4,040 bilhões). De 2019 até 2023, haverá uma redução nesse montante, para finalmente, em 2024, a Oi passar a registrar lucro de R$ 197 milhões. Ao final de 2027, a previsão é de lucro líquido de R$ 3,315 bilhões.

Os custos e despesas também crescerão: de R$ 17,802 bilhões em 2017 para R$ 24,066 bilhões dez anos depois. Já o fluxo de pagamento aos credores da RJ deverá progredir sucessivamente de 2019 até 2025, quando totalizaria R$ 11,862 bilhões em pagamento. Após uma oscilação, o montante seria reduzido a partir de 2029 (R$ 5,332 bilhões) até 2042, quando a companhia ainda estaria pagando R$ 127 milhões a credores da Classe 3.

No fluxo de caixa operacional (calculado a partir do EBTIDA e incluindo variação de capital de giro, impostos, investimentos, dívidas, plano de pagamentos a credores e outros dispêndios), a EY considera que entre 2018 e 2027 haverá uma injeção bruta de recursos de aproximadamente R$ 17,5 bilhões. Assim, o fluxo de caixa operacional subirá de R$ 4,575 bilhões em 2016 para R$ 11,715 bilhões ao final do período, um crescimento médio anual de 12,65%.

A Oi projeta um fluxo de caixa de investimentos anuais de R$ 6,1 bilhões, sendo que o triênio 2018-2020 há uma média de R$ 6,9 bilhões. Depois desse período, o projetado é de haver uma redução para média de R$ 5,3 bilhões entre 2021 e 2023, e de R$ 6,2 bilhões entre 2024 e 2027.

Já o saldo do caixa, incluindo impacto do plano da RJ, cairá de R$ 7,849 bilhões em 2016 para R$ 4,319 bilhões em 2023. A partir do ano seguinte até 2027, ficará estável em R$ 4 bilhões.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile