SDN é a mudança que as empresas esperam

A aposta das fornecedoras durante a conferência Interop em Las Vegas, nos Estados Unidos, foi nas software defined networks (SDN). Companhias como Hewlett-Packard e Alcatel-Lucent exploraram o conceito de levar a automação e inteligência às redes de data centers, embora ainda exista pouca implementação real no mercado. A vice-presidente senior e gerente geral da HP Networking, Bethany Mayer, ressaltou durante sua apresentação no evento que isso mostra a necessidade de inovação. "Esse mercado não tem mudado, fazemos (redes) da mesma forma há 20 anos", afirma. Ela defende que já há iniciativas. "SDN é uma mudança de paradigma, é possível simplificar, escalar e entregar o que o seu negócio procura. Isso é uma realidade, não é um conceito ou uma discussão."

De fato, já há implementações. Em 2011, a cadeia de varejo de vestuário Sears Holdings tinha problemas em lidar com tantas informações e transações de consumidores. A saída para isso foi utilizar a solução da HP. "Estávamos atingindo a saturação na rede de data center com infraestrutura de switch antiga, precisando de backups e aumentar a nuvem privada; com o Big Data explodindo e novos requerimentos introduzidos pela política de preços dinâmicos", afirmou o vice-presidente de redes e segurança da informação da Sears, Conrad Menezes. Segundo ele, os problemas foram sanados após a renovação da tecnologia.

Fluxo de tráfego

A Alcatel-Lucent Enterprise, divisão da companhia francesa voltada para o setor corporativo, tem uma abordagem um pouco diferente. Há três anos, a empresa aposta em uma espécie de SDN, que chama de rede de aplicações fluentes (AFN), que otimizam a rede local e automatizam processos. "Agora é uma questão de construir uma capacidade e a rede para reconhecer o tráfego e ter as políticas certas para que as redes saibam o que fazer – sem isso elas não podem ser autônomas", afirma o diretor de marketing e soluções de redes para Enterprise da ALU, Cliff Grossner. "O que, por sinal, não é tão diferente do que as SDNs estão tentando conseguir", reconhece.

Grossner explica que a ideia é ter uma rede capaz de identificar o fluxo de tráfego, ajustando automaticamente de acordo com a aplicação. "Se pensar no tipo de problema que estamos tentando resolver, não é sobre arquitetura", diz ele. "Uma das coisas que estamos fazendo com o setor corporativo é deixa-lo capaz de consumir serviços de rede em cloud, porque é isso que acreditamos ser o modelo do futuro."

A empresa lançou durante o Interop uma família de switches que contempla essa visão de fluxo de rede, mas que também considera a situação atual da infraestrutura em data centers. "Acredite ou não, mas quase 90% dos servidores ainda tem ethernet de 1 Gbps e ainda conta com infraestrutura de cobre", declara Grossner. Um dos produtos é um switch que utiliza hardware similar ao do equipamento para fibra, mas com módulo adaptado ao cobre. 

Aplicações

A Alcatel-Lucent também está apostando em WLAN, como uma equipamento que conta com proteção contra movimentos para ser usado para a indústria de transportes, contando até com GPS embutido. "Se você tem uma companhia de ônibus e oferece Wi-Fi para passageiros, você tem 3G ou 4G para se conectar à rede da empresa e, quando chega ao destino, ela se mantém conectada para fazer download e upload de análises e de relatórios", explica o diretor de marketing de soluções da área de network business da empresa, Heitor Faroni.

A ALU já emprega essas soluções em diversos negócios, incluindo no Brasil, na prefeitura de Osasco, em São Paulo, onde vendeu 175 switches após vencer disputa na licitação contra Huawei e Cisco. "Começaram a falar sobre a (rede de) telefonia, mas depois viram que não havia (demanda pela melhoria de) performance de rede, então nos procuraram", afirma Faroni.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.