Publicidade
Início Newsletter Oi acredita que anuências para venda da InfraCo serão mais simples do...

Oi acredita que anuências para venda da InfraCo serão mais simples do que na Oi Móvel

Durante a conferência com analistas para detalhar a operação de venda do controle da InfraCo, o presidente da Oi, Rodrigo Abreu, disse acreditar que a operação de aprovação da unidade de fibra será mais rápida e mais simples do que a aprovação da Oi Móvel. A operadora trabalha com o prazo de final de 2021 ou início de 2022 para a aprovação final do acordo com o BTG Pactual tanto no Cade quanto na Anatel.

Segundo Rodrigo Abreu, todos os ativos relacionados à concessão de STFC foram separados e permanecem na Oi, o que deve dar tranquilidade ao regulador em relação à aprovação. Isso significa toda a infraestrutura e serviços prestados pela rede de cobre da Oi (telefonia e xDSL), backbone e backhaul legados da concessão, redes de transmissão de rádios em alta velocidade, capacidade de satélites, centrais de comutação e distribuição, sistemas de gestão de clientes, administração e operação, contratos de direitos de passagem entre outros relevantes para a manutenção dos serviços da ClientCo, entre eles o STFC (concessão).

Na linha do tempo mostrada na apresentação, Abreu colocou os prazos esperados. Ocorrendo conforme o planejamento, o prazo para submissão de propostas ao juízo seria dia 11 de maio, e o leilão judicial pela InfraCo ocorreria em meados de junho.

Notícias relacionadas

Sem entrar na argumentação regulatória e jurídica, Abreu destacou que o modelo proposto amplia a competição no mercado de infraestrutura e promove investimentos, que são elementos relevantes para o regulador considerar, sem com isso criar qualquer tipo de conflito com o modelo regulatório atual. A Oi destaca que a estratégia da FibraCo permitirá inclusive a ampliação do mercado de ISPs.

A Oi se mostrou ainda disposta a manter o plano de migração das concessões para autorizações, segundo declarações de Rodrigo Abreu em diferentes momentos da conferência, o que pode trazer mais conforto regulatório para questões que poderiam ser mais complexas, como a caracterização de bens reversíveis.

Segundo apurou TELETIME junto a fontes próximas ao BTG, as variáveis regulatórias foram muito analisadas antes que o acordo fosse fechada, mas houve segurança para avanço na proposta quando duas coisas ficaram claras: que a Oi estava promovendo uma separação estrutural muito detalhada dos ativos, as novas regras de continuidade da concessão definidas pela Anatel (que garantem a propriedade à Oi) e o fato de que ela continuará acionista da InfraCo, ou seja, seguem empresas do mesmo grupo econômico, o que permite ajustes regulatórios necessários de maneira mais simples. Além disso, a expectativa é que a discussão regulatória mais crítica, sobretudo sobre o desmembramento dos bens reversíveis e sobre como será a transição para além de 2025, só acontecem mais adiante, o que evitaria uma contaminação imediata da análise da anuência prévia para a entrada do BTG na InfraCo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile