Operadoras aceitam mais discussão sobre 5G, mas sem aumento de custos

Foto: Pixabay

Representante das principais operadoras de telecom brasileiras, a Conexis não se opõe a uma maior discussão sobre o formato do leilão de 5G se o resultado for um edital "mais completo". As empresas, contudo, pedem a manutenção do modelo de precificação das frequências proposto pela Anatel.

As considerações foram realizadas pelo presidente executivo da Conexis, Marcos Ferrari, durante evento promovido pela Proteste nesta quarta-feira, 12. No início da semana, uma críticas ao edital de 5G foram feitas pela área técnica do TCU em parecer encaminhado ao relator Raimundo Carreiro. O tribunal de contas deve tomar uma decisão sobre o tema no próximo dia 18.

"Se teremos ou não o edital este ano, tudo tem seu tempo e sua hora", afirmou Ferrari. "Se for necessário discutir mais para que ele esteja completo, melhor. É fundamental que o edital contemple todas as informações possíveis e se for necessário debate adicional, que se faça, para termos sucesso no leilão", disse Ferrari.

Notícias relacionadas

O dirigente, no entanto, defendeu que o caráter não arrecadatório do processo seja mantido – isto é, com pagamento do espectro baseado sobretudo em compromissos de investimentos, e não nos valores pagos diretamente ao governo. Até aqui, o edital está precificado em R$ 45 bilhões, sendo pouco mais de R$ 8 bilhões pagos ao Tesouro e o estante em compromissos e contrapartidas de investimento.

"É fundamental que ele permaneça não arrecadatório e que não onere o valor das frequências na versão final. Não podemos ter retrocesso de supervalorizar, o que comprometeria investimentos futuros. Esperamos um valor justo, com benchmarking de leilões feitos pelo mundo e que não onere as frequências, porque poderá haver efeito contrário ao que se espera", pontuou Ferrari.

A precificação das faixas de frequências que serão disponibilizadas foi um dos principais pontos questionados pelos técnicos do TCU. Para a área, a metodologia adotada pela Anatel subestima receitas com 5G e onera regiões mais pobres.

Torres

Reunindo operadoras de infraestrutura de telecom, a Abrintel adotou posicionamento similar ao da Conexis – mas apontando uma preocupação com os prazos.

"Se for necessário discussão mais ampla para um edital melhor, ótimo, mas não podemos levar a data de implementação da rede para tão longe", afirmou o presidente da entidade, Luciano Stutz. "Quanto antes sair, melhor", completou.

Em paralelo, a entidade também defendeu que cidades que já tenham atualizado legislações municipais de antenas tenham preferência para receber os compromissos de investimentos 5G situados pelo edital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.