Presidentes da Claro e da Vivo destacam vantagens de ter mais espectro

Os presidentes das operadoras Claro e Vivo fizeram questão de comparecer ao auditório do Espaço Cultural da Anatel após o encerramento da primeira etapa do leilão de 4G que licitou as subfaixas nacionais de 2,5 GHz/450 MHz para celebrar o arremate, respectivamente, dos blocos W e X, de 20 MHz + 20 MHz.

Notícias relacionadas
Tanto Carlos Zenteno, presidente da Claro, quanto Antonio Carlos Valente, presidente da Vivo, disseram-se extremamente satisfeitos com as faixas adquiridas. “O êxito do leilão em um momento particularmente difícil da economia mostra a importância do mercado brasileiro para as operadoras internacionais”, afirmou Valente.

Segundo Zenteno, a ideia inicial da Claro era não apenas conseguir uma faixa de 20 MHz + 20 MHz, que permite oferta de velocidades teóricas de 4G de até 100 Mbps, mas também de conseguir o bloco W, que prevê compromissos de cobertura de banda larga rural em 450 MHz na região Norte. “Fomos a única companhia a apoiar o processo de licitação do 4G desde o ano passado e nos esforçamos desde o primeiro bloco para garantir o resultado com um bloco de 20 MHz + 20 MHz para oferecer maior velocidade para o usuário. Fomos a primeira a adquirir uma licença de 4G e agora vamos trabalhar para atender as primeiras metas de abril de 2013 para as cidades da Copa das Confederações”, afirma Zenteno.

Questionado sobre a busca pela retomada da vice-liderança do mercado de telefonia móvel no Brasil, posição hoje ocupada pela TIM, Zenteno garantiu que tudo o que a Claro tem feito País tem em vista garantir um bom posicionamento de mercado e lembrou que a competição no 4G pode ficar mais complicada para quem comprou apenas blocos de 10 MHz + 10 MHz, em referência à TIM e à Oi, “porque só vão entregar velocidades teóricas de até 40 Mbps”.

Zenteno reafirmou o compromisso de investimento das empresas da América Móvil no Brasil de R$ 3,5 bilhões até o fim deste ano e lembrou que boa parte do investimento já feito em redes de fibras, transmissão e a digitalização de 80% das redes das operadoras do grupo no Brasil facilitará a implantação do 4G da Claro.

Vivo

Na mesma linha, o presidente da Vivo celebrou o arremate da faixa X. “Estamos absolutamente contentes tanto com banda quanto com o valor, que estava dentro das nossas expectativas. Anunciamos no ano passado um investimento de R$ 24,3 bilhões entre 2011 e 2014 que incluiam os valores a serem pagos pela licença de 4G e não vamos fazer nenhuma revisão desse valor agora”, garante Valente. Segundo o executivo, era o objetivo da operadora conseguir a banda que tinha como compromissos de cobertura rural em 450 MHz para as áreas do interior de Minas, São Paulo e no Nordeste. “São áreas complementares à nossa cobertura e o Nordeste é um dos mercados que mais cresce no País”, explica Valente. “Sabemos que há uma grande diferença entre ter 10 MHz e 20 MHz, Para uma empresa que tem um mercado de dados tão importante como nós temos, era importante ter a largura de espectro de 20 MHz como meio necessário para manter a liderança no mercado”, acrescentou o presidente da Vivo.

Pagamentos

Claro e Vivo ainda não definiram se farão os pagamentos à vista dos blocos de frequências adquiridos. Parte dos R$ 844,519 milhões que a Claro deve pagar pela faixa W, segundo Zenteno, virá do próprio caixa da empresa. “Estamos ainda avaliando fontes de financiamento e a melhor maneira de fazer isso.” Já a Telefônica garante que embora o valor de R$ 1,050 bilhão seja importante, não é um ponto de preocupação. “Anunciaremos oportunamente como faremos o pagamento, mas o 4G tem desafios ainda mais importantes como a instalação das antenas, backbone e backhaul”, diz Valente. O executivo voltou a ressaltar sua preocupação com relação à construção de sites para o 4G. A Vivo calcula que seria necessário dobrar seu total de 13 mil torres espalhadas pelo Brasil para cobrir o País com 4G. “Os prazos para atender as metas do 4G já são pequenos e uma série de ações precisam ser desenvolvidas pela administração pública para realizar uma releitura das leis existentes e agilizar trâmites burocráticos para expedição de licenças para construção de sites”, enumera Valente.

450 MHz

Para Valente, ainda que o governo não tenha conseguido vender a faixa de 450 MHz separadamente, a estratégia do Estado foi bem sucedida. “Se existiam duas opções, ambas eram válidas e o objetivo de levar o serviço de banda larga às áreas rurais será alcançado”, avalia. Com relação à tecnologia LTE na faixa de 450 MHz, entretanto, Valente mostrou-se cético. “Algumas iniciativas de LTE já foram comentadas, mas é bom que a gente não esqueça que atendimento significa rede e também disponibilidade de terminais, não existe desenvolvimento de LTE em 450 MHz no mundo e escala fala alto. Acho que o CPqD está fazendo um projeto de êxito, mas no final nossa industria é de escala; tanto é que Anatel colocou possibilidade de atender com outras bandas os 30 km além da sede municipal das áreas rurais”.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.