Operadoras acertam última cobertura indoor para Copa das Confederações

Faltando dois meses para o início da Copa das Confederações, as prestadoras de telefonia móvel finalmente anunciaram nesta sexta-feira, 12, que concluíram todos os contratos com a administração de seis estádios para a cobertura indoor, incluindo na tecnologia LTE. O último estádio que faltava era o Mineirão, em Belo Horizonte, que se junta agora a Brasília, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador. As negociações estavam sendo feitas desde agosto do ano passado, segundo o Sindicato nacional de empresas de telefonia e de serviço móvel celular e pessoal (SindiTelebrasil), e foram concluídas na sexta-feira passada.

As operadoras enfrentaram muitos problemas para conseguir fechar essa negociação. "Houve administradores de arena que chegaram a condicionar, inclusive, a instalação da infraestrutura indoor das teles ao patrocínio de camisa de clube", conta uma fonte do setor que preferiu não se identificar. Apenas depois de muita conversa é que as operadoras conseguiram dissuadir os administradores da arena de tal exigência.

Já em Belo Horizonte, a maior dificuldade residiu no acerto final do preço de aluguel para instalação da infraestrutura indoor. A Minas Arena queria que cada operadora (Claro, Nextel, Oi, TIM e Vivo) pagasse R$ 10 mil por mês, o que daria um total de R$ 50 mil. "Era um absurdo, esses são contratos de dez anos e ter a infraestrutura indoor é um benefício para o estádio e para os usuários. Explicamos que não somos (as teles) obrigados a instalar a infraestrutura indoor. Nossa obrigação é levar a cobertura 4G outdoor à área dos estádios e isso está sendo feito", explica a fonte. As teles chegaram a fazer uma contraproposta de R$ 25 mil ao mês, mas desistiram porque o valor seria o dobro do teto acertado com todas as outras arenas: de R$ 12,5 mil por mês durante dez anos. No fim, sob o risco de não ter infraestrutura indoor instalada a tempo do início da Copa das Confederações, a Minas Arena aceitou os R$ 12,5 mil por mês, R$ 2,5 mil por operadora.

As prestadoras agora estão trabalhando para a instalação da infraestrutura nos seis estádios. Os equipamentos ficarão instalados em uma sala de aproximadamente 200 metros quadrados, no subsolo dos locais. Desse backbone sairá a rede compartilhada de fibra que se ligará às antenas, também compartilhadas, que atenderão aos clientes das cinco operadoras. A separação dos sinais das operadora será feita por uma solução de distributed antenna systems (DAS), que integra redes iDEN, 2G, 3G, 4G e Wi-Fi, identifica e encaminha as chamadas e o tráfego de dados dos usuários aos equipamentos de sua respectiva operadora instalados na sala nos subsolos dos estádios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.