PGMU, TAC da Oi e leilão de sobras na agenda da última semana de atividades da Anatel

A semana que vem, última antes do recesso da Anatel em 2015, promete ser de agenda cheia na agência. A proposta do novo Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU) está na pauta da última reunião do Conselho Diretor na próxima quarta-feira, 16. O processo é aguardado com ansiedade pelas concessionárias e pode assegurar uma redução da planta de orelhões, serviço muito caro para as prestadoras e que tem sido subutilizado. Mas também pode criar obrigações de backhaul de grande capacidade, onerando as concessionárias. Tudo vai depender da forma como o conselho entender as propostas da área técnica.

Outro item da pauta é a proposta do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Oi, que já é contestado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O órgão vê indícios de prejuízos ao erário público e aos consumidores na compensação das multas aplicadas e estimadas contra a concessionária no valor de R$ 1,2 bilhão. A tendência é que a Anatel e aprove uma proposta confiante em um segundo momento de negociação dos termos com o TCU, o que daria mais segurança jurídica ao conselho. Até por isso a cautelar do tribunal de contas tem sido comemorada entre os conselheiros.

Também na pauta, a proposta de anuência prévia para o compartilhamento de meios de rede de celular (RAN Sharing) entre a Oi, TIM e Vivo (já adiantada por este noticiário)  é outro processo muito aguardado pelo mercado. Assim como o posicionamento da agência sobre a venda de imóveis pela Telefônica, que pode ser votada na quarta-feira e que será um passo importante para a agência revisar, ou não seu entendimento sobre a questão dos bens reversíveis, etapa fundamental da revisão do modelo colocada pelo Ministério das Comunicações como item prioritário na pauta de 2016.

Na quinta-feira, 17, está previsto o leilão de sobras das frequências de 1,8 GHz, 1,9 GHz e 2,5 GHz. São mais de 20 mil lotes que serão disputados por perto de 400 empresas, com preço mínimo partindo de menos de R$ 2 mil.

Minicom

Já na pauta do Ministério das Comunicações para o final do ano estão a definição sobre o cronograma de transição da TV analógica para a TV digital, a própria reestruturação do órgão (que pode ou não sair este ano) e um eventual adiamento na consulta pública do novo modelo, que está prevista para ser encerrada dia 23 de dezembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.