Comissão propõe regime diferenciado de contratação para a Telebras

Assim como a Petrobras conta com um regime especial para contratação, mais flexível em relação à Lei 8.666, os deputados da subcomissão de banda larga da Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTI), propuseram a apresentação de um projeto de lei com o objetivo de instituir um regime especial de contratação para a estatal de telecomunicações Telebras.

"Um dos principais obstáculos à aceleração da expansão da infraestrutura da Telebras reside nos rígidos ditames estabelecidos pela Lei de Licitações, que comprometem a agilidade operacional, a eficiência e a competitividade da empresa. A Petrobras tem se beneficiado dos ganhos de eficiência proporcionados pela aplicação de procedimentos licitatórios especiais, assegurados em lei", disse o deputado Newton Lima (PT-SP) nesta quarta, 11.

Ainda dentro das competências do Congresso Nacional, a subcomissão de banda larga formaliza o apoio a propostas que contribuem para acelerar a universalização da Internet, quais sejam: a Lei das Antenas (PL 5.013/2013); o PL 1.481/07, que permite a utilização do Fust para a banda larga; o PL 6.304/13, que cria incentivos tributários para a criação de data centers; e a PEC 479/10, que inclui o acesso à Internet como direito fundamental do cidadão.

Em relação ao PL 2.126/2011, o Marco Civil da Internet, Newton Lima respeitou a posição contrária ao projeto do deputado Miro Teixeira (Pros-RJ) e retirou a manifestação de apoio ao projeto. "Já disse que se tiver um voto contrário a esse projeto em Plenário, esse voto é meu", afirma Teixeira, para quem a Internet é impossível de ser regulada. "Nós não sabemos como será a Internet na semana que vem", argumenta.

Executivo

O relatório do deputado Newton Lima também cobra do Executivo a regulamentação da isenção do Fistel para a comunicação M2M, instituída pela Lei 12.715 de setembro do ano passado. Além disso, o deputado acha "meritórias" as medidas de desoneração, mas pede que o governo divulgue um comparativo contendo as metas e os resultados efetivamente alcançados para que a sociedade possa verificar a eficácia das ações. O deputado sugere ainda que a CCTI faça uma comissão geral para discutir a modernização da Lei Geral de Telecomunicações (LGT) e o futuro dos serviços de telefonia fixa e de banda larga.

Para a Anatel, a recomendação é que a agência faça estudos acerca da alteração do regime jurídico de prestação da banda larga, do privado para o público. E estudos sobre a viabilidade de uma regulação por camadas (rede, serviços e conteúdo) e de separação funcional das redes das prestadoras que operem nas camadas de rede e serviços.

Foi aprovado também um pedido formal à Casa Civil para que reative o Fórum Brasil Conectado, que não é convocado pelo Poder Executivo desde 2010. Para o deputado, o Fórum Brasil Conectado representava papel central no modelo de governança do Plano Nacional de Banda Larga, já que englobava representantes dos mais diversos segmentos da sociedade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.