Resultado da Vivo supera expectativa de analistas

A Vivo divulgou nesta terça-feira, 11, o resultado referente ao terceiro trimestre do ano, período em que conseguiu lucro de R$ 129,8 milhões, revertendo prejuízo de R$ 59,5 milhões do trimestre anterior. Na comparação anual o aumento do lucro líquido 204,7% superior aos R$ 42,6 milhões do terceiro trimestre do ano passado. A margem Ebtida foi de 32,3%, 9,1 pontos percentuais maior que no trimestre anterior e 6 pontos percentuais maior que no mesmo período do ano passado. A Brascan Corretora e a Ativa Corretora divulgaram relatórios afirmando que os resultados superaram as suas expectativas.
Com relação à margem Ebtida de 32% do trimestre, o vice-presidente de finanças e de relações com investidores, Ernesto Gardeliano, disse que é preciso levar em conta a sazonalidade do trimestre que teve duas importantes datas comemorativas, o Dia das Mães e o Dia dos Namorados.
A base de clientes foi a 42,27 milhões de clientes, o que significa um aumento de 21% em relação ao mesmo período do ano passado e de 4,6% quando comparado ao segundo trimestre do ano. O Arpu foi de R$ 29,4 no trimestre com uma variação para menos de 4,2% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Mesmo assim, a Ativa Corretora teve uma avaliação positiva do balanço. "A Vivo está, sem dúvida, conseguindo apresentar crescimento de clientes, sem comprometer o ARPU, ao mesmo tempo em que vem alcançando consecutivas melhoras de rentabilidade", disse a corretora em relatório.

Notícias relacionadas

Competição

O presidente da Vivo, Roberto Lima, foi cuidadoso ao falar sobre a entrada da Oi em São Paulo. Ele reconheceu a agressividade da promoção para os clientes pré-pagos e disse saber que "eles vão ocupar algum espaço". Mas Lima reforçou que o objetivo da Vivo é se manter em primeiro no ranking de market share. "Vamos lutar para que essas partes de mercado (ocupadas pela Oi) não sejam as que mais nos interessam", disse ele. Ainda sobre a estratégia da Oi de focar na venda do chip – mesmo reconhecendo que a Vivo está fazendo o mesmo no Nordeste onde está entrando agora – Lima observa que "chip é chip e cliente é cliente". Sobre a aeiou, Lima disse ter pouco conhecimento dos resultados da companhia.

Crise

Roberto Lima reconhece que os aparelhos poderão ficar mais caros com a alta do dólar e não descarta uma eventual renegociação de contratos com os fabricantes. "Isso pode fazer com que a estratégia de venda de aparelhos seja um pouco mais lenta", disse. No entanto, como o próprio executivo lembrou, a alta do dólar não afeta a capacidade das operadoras de venderem serviços. Lima confirmou as negociações "com a agência reguladora e como o ministério" em torno dos compromissos de cobertura assumidos na compra das licenças de 3G e aventou até a possibilidade do BNDES entrar na negociação com financiamento mais vantajoso e compatível com a realidade atual do que o oferecido pela Anatel. Conforme este noticiário informou na última segunda-feira, 10, o Minicom ainda não recebeu nenhum pedido formal das teles móveis, mas as teles alegam que já entregaram um pedido formal de medidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.