Vidyo aposta em flexibilidade e nuvem para videoconferência

A norte-americana Vidyo esteve presente na Futurecom 2012 para mostrar sua plataforma de videoconferência para o mercado corporativo com foco na mobilidade e no desempenho adaptável a diferentes condições de rede, seja 3G, Wi-Fi ou DSL. O country manager da empresa no Brasil, Wagner Figueiredo, contou a TELETIME nesta quinta-feira, 11, que a companhia se diferencia de soluções “domésticas” como Skype, da Microsoft, e FaceTime, da Apple, embora com a Google a relação seja diferente. “Eles usam a nossa tecnologia para o Hangout, licenciando toda a parte da plataforma da Vidyo. A diferença é que, além de toda a flexibilidade e qualidade; [na Vidyo] toda a conferência é criptografada com chave de 128 bits; controle de gerenciamento; e SLA, pois o cliente quer ter a garantia do serviço: se o Hangout sai do ar, o usuário não tem o que fazer”.

Como vantagem contra essas concorrentes e o próprio Hangout, ele diz ainda que a plataforma se interconecta com outras soluções, como Microsoft Lync, Polycom, Cisco, RedVision e "qualquer outra coisa". Da mesma forma, o Vidyo pode ser acessado em computadores com sistemas operacionais Windows, Mac OS e Linux, além de dispositivos móveis, como tablets e smartphones iOS, da Apple, e Android, do Google. "A demanda de mobilidade e desprendimento de hardware é total, cada um usa o que quer", diz. Tudo com possibilidade de até 500 conexões simultâneas em alta definição, que pode ser na resolução de até 1080p (Full HD).

As empresas podem ter o serviço tanto adquirindo o appliance, um console da Dell com o software da Vidyo rodando por cima, quanto contratando apenas o serviço, levando toda a plataforma para a nuvem. Segundo ele, isso é uma mudança em relação ao modelo tradicional. “Videoconferência é mais antigo do que um telefone IP, e ainda é um assunto para poucos, pois é uma solução cara”, diz. Até porque a arquitetura do sistema foi simplificada. "A gente tirou tudo aquilo que se usa no ambiente profissional, como o MCU (unidade multiponto de controle)".

Com isso, a plataforma pode ser utilizada virtualmente em qualquer dispositivo, em qualquer lugar, inclusive nos ambientes tradicionais das companhias e no home office. “A maior preocupação dos CIOs e CEOs é colocar a videoconferência para todos na empresa”,  diz Figueiredo. Podendo levar o vídeo para além de apenas membros da diretoria no mercado corporativo, há uma possibilidade de economia e oportunidade de negócios. "A escalabilidade é possível por conta da arquitetura simples e isso gera uma redução de custo de 50% a 60% em cima de plataformas tradicionais", finaliza. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.