Teles querem mudar proporção de cadeiras no CGI.br

As operadoras de telecomunicações propõem a alteração da composição do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), de forma a agregar segmentos empresariais vitais para o funcionamento da rede. A proposta foi apresentada na consulta pública sobre a Governança da Internet no Brasil, promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e encerrada na última sexta-feira, 8.

Segundo o SindiTelebrasil, desde a criação do comitê, em 2003, a Internet passou por muitas mudanças. Por conta disso, afirma que a escolha dos representantes e o equilíbrio dos setores representados são essenciais para garantir a composição multissetorial do CGI.br. "Nesse sentido, propomos que os agentes que atuam na Internet sejam representados de forma equalizada e categorizados em um total de quatro grupos , com quatro membros cada, e um grupo governamental com cinco membros", defende. Pela proposta, cada um dos grupos constituirá o Conselho do CGI, no qual os representantes dos grupos 1,2 e 3 terão direito a um voto. O grupo 4 exercerá atividade consultiva dando suporte à decisão dos outros grupos.

No grupo 1 serão escolhidos os representantes do setor empresarial, atendendo aos seguintes segmentos: 1) provedores de infraestrutura de telecomunicações: deve ser ocupada por representantes de empresas provedoras de acesso fixo, provedoras de acesso móvel ou de exploração de segmento espacial; 2) Provedores de conteúdo: deve ser ocupada por ser representante de empresas que produzem e proveem conteúdo na Internet; 3) Setores tradicionais pela Internet: deve ser ocupada por representante de empresas que pertencem originalmente a setores tradicionais da economia que estão em processo de inclusão de partes de seus negócios na Internet, seja pela evolução da mesma seja por novas tecnologias como IoT; e 3) Prestadores de serviços na Internet: deve ser ocupada por representante de empresas que prestem ou desenvolvam serviços suportados primariamente pela Internet.

O grupo 2, com cinco membros, representaria o Setor Governamental, com representantes do governo relacionados a temas da Internet, tal como Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (STE e Sepin), Ministério da Justiça, Ministério das Relações Exteriores e Anatel. O grupo 3, por sua vez, com quatro vagas, reuniria os representantes do terceiro setor, com entidades relacionadas aos usuários; Direitos Civis; Educação e Telecomunicações.

O grupo 4, sem direito a voto, agregaria quatro membros oriundos da comunidade acadêmica, técnica e científica: Grupo com atividade consultiva, sem direito a voto, representado por quatro cadeiras que representem a comunidade de técnicos e cientistas envolvidos com a Internet. Haveria ainda uma pessoa, designada pelo Governo Federal, com notório saber técnico sobre a assunto; um representante com publicações científicas sobre roteamento e endereçamento IP; um representante com publicações científicas sobre segurança de redes na Internet; e um representante com publicações científicas sobre o sistema de DNS. O SindiTelebrasil cita o exemplo da ICANN, que utiliza com posição semelhante.

Ainda de acordo com a proposta, na tomada de decisões deve ser utilizado o critério de maioria absoluta dos votos. O argumento é de que isso permite uma maior segurança na tomada de decisões, contemplando os interesses dos setores envolvidos na gestão multissetorial do CGI.br.

Pequenos provedores

Para a Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), há necessidade de reequilibrar a composição do CGI.br, reduzindo a participação do governo e assegurando espaço para os secretários estaduais, provedores de acesso e conteúdo (uma cadeira para cada) e as empresas de satélite. "É preciso avaliar a inclusão de outros representantes possíveis do setor que, em última análise, é o setor produtivo da cadeia de geração de emprego, renda, tributos e, portanto, de riqueza", sustenta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.