Algar Telecom amplia receita no trimestre com impulso do B2B, mas reduz lucro

Os resultados operacionais da Algar Telecom no segundo trimestre (e no acumulado do semestre) apontaram uma alta nas receitas da operadora, amparada por um impulso do segmento B2B. Já a lucratividade da empresa caiu no intervalo.

De abril a junho, o faturamento líquido da Algar somou R$ 609,9 milhões, em alta anual de 5%. Nos seis primeiros meses de 2021, o salto foi de 4,3%, para R$ 1,204 bilhão.

Já o Ebitda da companhia mineira cresceu 1,3% no semestre – mas recuou 10,3% no segundo trimestre, totalizando R$ 254,7 milhões. A margem ficou em 41,8%, ante 48,9% no segundo tri de 2020.

Notícias relacionadas

"O menor nível do Ebitda e da margem em 2021 é resultado da retomada de projetos, ações e investimentos, que haviam sidos suspensos em 2020, diante da melhoria do ambiente de negócios no país. Com isso […], a Algar Telecom retomou a expansão de suas operações, com a preparação de 24 novas localidades de atuação, e a contratação de consultorias para apoiar alguns dos seus projetos estratégicos".

De fato, a estratégia impactou os investimentos: eles cresceram 44,1% no segundo trimestre, para R$ 137,4 milhões. E 9,7% no primeiro semestre, para R$ 274,2 milhões.

Lucro

Como reflexo, o lucro líquido da companhia também foi impactado: ele somou R$ 48,3 milhões no segundo trimestre, em queda de 43,4% em um ano. Já no acumulado do semestre, o lucro ficou em R$ 106,6 milhões, em recuo de 18,1%.

"O menor volume de lucro no período é decorrente da variação no resultado operacional, combinada com depreciações e amortizações 10,3% maiores e despesas financeiras 53,1% superiores que as do mesmo período do ano anterior", explicou a Algar.

Corporativo

Mais uma vez, o segmento B2B foi o destaque nos resultados da empresa. Sozinha, a receita da vertical cresceu 11,3%, para R$ 383,4 milhões – ou 63% do faturamento apurado entre abril e junho.

Ao todo, são 168,5 mil os clientes da empresa no segmento corporativo. Em um ano, essa base cresceu 17,3%. A Algar opera serviços B2B em 372 cidades de 17 estados mais o Distrito Federal.

No caso do segmento B2C (varejo), as receitas líquidas da operadora encolheram 4,1%, para R$ 226,5 milhões. Voz fixa (-13,5%) e voz móvel (-1,4%) contribuíram para o resultado.

Já a operação de banda larga da Algar cresceu 6,5%, para R$ 91,7 milhões no segundo trimestre. A base de clientes já está 85% em fibra óptica e soma 423 mil dos 503 mil clientes de banda larga até o fim de junho.

Por sua vez, o número de homes-passed (HPs) com fibra óptica também teve salto significativo (54,5%), alcançando 938,3 mil domicílios com acesso à infraestrutura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.