Gired mantém interatividade básica no set-top do bolsa família

watching football on a smart tv

(Atualização às 19:20) O Gired (grupo de implementação da interatividade), em reunião realizada nesta quinta-feira, 11, decidiu que os set-tops de TV digital a serem distribuídos aos beneficiários do Bolsa Família e do Cadastro Único dos programas sociais do governo federal será mais simples. Teles e radiodifusores defendiam que a caixa não tivesse o Ginga embarcado e adotasse uma configuração mais simples, mas o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações não ficou confortável com as alternativas jurídicas e defendeu uma proposta intermediária, com uma versão mais simples da caixa mas mantendo algum nível de interatividade e o Ginga embarcado. Teles e TVs aceitaram a nova configuração, mas sob protestos.

O problema é que a interatividade está estabelecida no edital de venda das faixas de 700 MHz, e uma mudança poderia trazer riscos jurídicos à Anatel e às teles, no entendimento do MCTIC.

Com isso, o novo set-top exigido pelo Gired deve ter interatividade, obrigando a inclusão do Ginga na configuração. A proposta que acabou aprovada foi de retirar alguns requisitos existentes hoje na caixa distribuída aos beneficiários do Bolsa Família, como porta de HDMI e de Ethernet, e incluir apenas a versão mais básica do middleware da interatividade, o Ginga NCL. Com isso, o custo do conversor cai de US$ 20 FOB para US$ 15,8 FOB, ou seja, redução muito menor do que os 50% esperados pelas teles. A nova formatação será tema de portaria a ser publicada pelo MCTIC.

Os radiodifusores e as teles entendem a posição do MCTIC, mas consideram o preço do set-top ainda muito alto, o que deve consumir grande parte dos R$ 3,6 bilhões dos recursos destinados para a digitalização. Os dois setores registraram protesto no Gired, defendendo a distribuição do conversor zapper para todos.

O diretor-executivo da Entidade Administradora da Digitalização (EAD), Antonio Carlos Martelleto, pondera que a interatividade tem se mostrado uma ferramenta pouco útil para os integrantes do CadÚnico, conforme mostrou pesquisa feita com esse público no município goiano de Rio Verde, primeira cidade que teve o sinal analógico desligado no Brasil. Ele acredita que, sem o Ginga, a distribuição da caixinha poderia ser ampliada.

Martelleto disse que essa questão da interatividade poderá ser reaberta no futuro. A ideia é fazer uma pesquisa em Brasília, após a digitalização, para confirmar o uso ou não dessa facilidade. Se os resultados forem semelhantes aos de Rio Verde – com menos de 1% de uso pelas famílias que receberam o conversor – o debate sobre a obrigatoriedade da interatividade deverá ser retomado.

A nova configuração da caixinha única prevê 2GB de memória flash e 256 MB de memória RAM. Não terá porta de HDMI e Ethernet, mas trará duas portas de USB. E virá com a incorporação do Ginga NCL, sem acesso aos aplicativos que usam a linguagem Java. O novo conversor será distribuído a partir de São Paulo, que tem o desligamento do sinal analógico previsto para 29 de março de 2017.

Pesquisa

Já a polêmica sobre a pesquisa para aferir o grau de digitalização de Brasília continua. Os radiodifusores reclamam de que o Ibope considerou todas as TVs de tela fina como aptas a receber a transmissão digital das emissoras abertas. Eles alegam que 32% dos televisores de tela fina vendidos no Brasil não dispõem do conversor embutido.

Considerando os aparelhos de tela fina como digitalizados, a pesquisa obteve o percentual de 74% dos lares de Brasília aptos a receberem a transmissão digital. Os radiodifusores dizem que a pesquisa foi inflada em 4 pontos percentuais por televisores que, teoricamente, não têm conversor embutido.

Martelleto, por sua vez, disse que a pesquisa mostra que apenas 7% das TVs de tela fina não têm conversor embutido. O Ibope chegou a fazer uma proposta intermediária, de retirar 2 pontos percentuais, considerando que cerca de 30% das telas finas pesquisadas não estão digitalizadas.

Os radiodifusores se comprometeram a discutir a proposta na próxima semana, durante a reunião do grupo de trabalho de comunicações (GT-COM), antes da decisão final que será aprovada no Gired. Pela norma de switch-off, o desligamento do sinal analógico só é possível quando 93% dos municípios estão digitalizados.

2 COMENTÁRIOS

  1. A matéria em cima apresenta apenas a versão da EAD, claramente contraria a decisão atingida ontem.
    A linguagem NCL tornou-se , para este projeto dos conversores de sinal digital direcionadas aos públicos de baixa renda, com interatividade, foi confiormada.
    Assim, a linguagem Java, que também e parte do Ginga foi excluída por questões de direitos.
    Isto de modo algum significa que os receptores com perfil Ginga C que permite interatividade com canal de retorno ( foi aprovado a possibilidade de inclusão de pen-drives com WI-FI )
    Deste modo, gostaria que a jornalista que tanto admiro e este site esp[ecializado pudesse não apenas promover as modificadores q

    • modificações que ja estão publicadas pela portaria assinada [elo Ministro Kassab como também ouvir as diversas fontes interessadas neste processo como, por exemplo, os agentes públicos.
      Atenciosamente,
      Andre Barbosa Filho

      Conselheiro Suplente Radiodifusao
      GIRED
      ABEPEC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.