Câmara abre prazo para emendas e votação do PL do novo modelo fica para agosto

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço da Câmara dos Deputados (CDEIC) abriu prazo de cinco sessões para recebimento de emendas ao Projeto de Lei 3.453/2015, do deputado Daniel Vilela (PMDB/GO), que permite converter as atuais concessões de telefonia fixa em autorizações. Como os parlamentares entram em recesso branco (sem votar a Lei de Diretrizes Orçamentária) na próxima segunda-feira, 18, a apresentação das propostas de alteração ao projeto deve se estender até a primeira semana de agosto, garantindo um tempo maior para que o governo negocie as mudanças que considera indispensáveis para atualizar o modelo de telecomunicações. Na pauta do governo estão também mudanças no modelo de licenciamento do espectro, licitações de faixas de frequências e liberação de posições orbitais de satélites. A votação da proposição ficaria também para agosto.

Mas o maior impacto do projeto é mesmo sobre o modelo de concessão. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações concorda com a proposta do deputado Daniel Vilela (PMDB-GO), de permitir a troca da concessão por autorização em áreas competitivas e de valorar os bens reversíveis, transformando os recursos em investimentos em redes. Porém, defende aperfeiçoamentos como a inclusão, no texto, do conceito que será usado para precificar os bens reversíveis. Quer também transformar em investimentos os valores que as operadoras pagam para renovar as licenças de uso de espectro, assim como o limite de renovações, hoje autorizado apenas uma vez.

Uma alteração pretendida pelo MCTIC é a criação de um mercado secundário de espectro para permitir a transferência de frequências entre operadoras, proibindo a interferência de "brokers" ou intermediários. Com isso, o espectro se tornaria parte dos ativos rentabilizáveis das operadoras, e se resolveria o problema do limite (cap) de frequências quando uma empresa é comprada por outra que já detenha espectro. O governo trabalha também com a possibilidade de que os leilões de espectro passem a conter, compulsoriamente, obrigações de cobertura, abandonando a opção arrecadatória.

Ainda está em estudo uma proposta para acabar com as licitações de posição orbital de satélites quando estas tiverem sido viabilizadas e coordenadas junto à UIT por alguma empresa com interesse específico. Hoje, a empresa é obrigada a viabilizar a posição internacionalmente, mas, quando a Anatel abre a licitação, não há nenhum mecanismo de preferência.

O relator atual da matéria, deputado Laércio Oliveira (SD-SE), deve encampar as sugestões trazidas pelo governo, mas outros parlamentares também poderão apresentar emendas com o apoio do Executivo. Para o governo, apesar de não se completo, o PL serve para destravar investimentos no setor e, assim, contornar as dificuldades financeiras para avançar na massificação da internet. Ao apoiar o PL de Vilela, a ideia foi de ganhar tempo e assegurar para ainda este ano, as mudanças legislativas que trarão segurança jurídica às aplicações das teles.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.